Não é segredo para ninguém que o presidente dos Estados Unidos da América tem uma paixão pelo Twitter. Para o norte-americano, a plataforma de micro-blogging é um dos canais de comunicação pública prediletos. Mesmo antes da campanha, Trump era utilizador ativo, a eleição, porém, trouxe-lhe 13 milhões de novos seguidores - uns mais verdadeiros do que outros, no entanto.

De acordo com o Twitter Audit, uma plataforma online que consegue analisar os seguidores de uma dada conta e aferir a sua legitimidade, o perfil de Trump tem quase mais contas falsas a segui-la do que verdadeiras. Contas feitas, são cerca de 49% contra 51%.

tek twitter

John Niven foi o primeiro a chamar à atenção para a situação. O guionista escocês notou um pico de seguidores na conta de Trump durante o último fim-de-semana e o fenómeno foi rapidamente descortinado pelo resto da internet.

Apesar do valor ser muitas das vezes tido como um indicador de popularidade, a verdade é que há várias formas pouco honestas de açambarcar seguidores. Pagar, por exemplo, é apenas um dos métodos.

Em comparação com Trump, tanto Barack Obama como Hillary Clinton ficam uns furos acima, no que toca à percentagem de seguidores legítimos. De acordo com a mesma plataforma, o ex-presidente dos EUA chega aos 79% e Hillary aos 61%.

Não podemos afirmar, no entanto, que Trump tenha pago por lotes de seguidores falsos. Qualquer pessoa poderia tê-lo feito em seu nome e mesmo sem a sua autorização. Por outro lado, os bots, que seguem, publicam e enviam mensagens autonomamente, também poderão estar a contribuir para o avolumar deste número.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.