A Associação da Economia Digital (ACEPI) revelou as conclusões do estudo “Top 20 Principais Economias na área de comércio eletrónico e de maior potencial de adesão aos produtos nacionais”, naquele que é também um retrato do tecido produtivo português.

Dos 20 países considerados e que representam 80% do PIB e 55% da população mundiais, a Alemanha, Espanha, França, China, EUA e Reino Unido destacam-se como os principais mercados-alvo e com um maior potencial de adesão a produtos portugueses através do digital.

ComércioDigital.pt quer qualificar 50 mil empresas para a economia digital
ComércioDigital.pt quer qualificar 50 mil empresas para a economia digital
Ver artigo

A relevância dos países no contexto atual das exportações de produtos por parte das PMEs portuguesas, bem como as suas riquezas e população foram factores tidos em consideração na hora de identificar os principais mercados das empresas portuguesas.

O estudo, realizado no âmbito do Projeto Norte Digital da ACEPI, analisou ainda a maturidade digital de cada um dos países, potenciadora das exportações online. No entanto, a capacidade de comunicação e o marketing também são factores a ter em conta, destacou Alexandre Nilo Fonseca, presidente da Direção daa ACEPI em um encontro com os jornalistas.

No que se refere às exportações, o sector dos produtos elétricos e eletrónicos é aquele que tem um maior potencial para dar o “salto” para a Economia Digital, com quase um quarto (23,5%) da fatia dos produtos mais vendidos online nos 20 países considerados.

Os segmentos dos produtos alimentares (21,4%), vestuário (18%), mobiliário e decoração (16%), calçado e acessórios (12%) e têxteis (9,1%) também surgem destacado para mercados como Espanha, França, Alemanha, Reino Unido, aos quais se juntam num segundo patamar Estados Unidos, Holanda, Suécia, Bélgica e Suíça.

Millennials portugueses preferem comprar em sites estrangeiros
Millennials portugueses preferem comprar em sites estrangeiros
Ver artigo

O estudo teve em conta que a exportação de bens em Portugal (excluindo os serviços) ultrapassou os 50 mil milhões de euros, o equivalente a 26% do PIB, numa altura em que o comércio eletrónico tem vindo a ganhar cada vez mais adeptos no país. Mas e apesar do número de portugueses que compram online ter aumentado, a grande maioria (85%) opta por fazê-lo através de sites estrangeiros.

O relatório “Top 20 Principais Economias na área de comércio eletrónico e de maior potencial de adesão aos produtos nacionais” vai estar disponível para “todo o mercado e não apenas para algumas empresas”, esclareceu Alexandre Nilo Fonseca.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.