A Alemanha protestou junto da Rússia por tentativas de roubo de dados a responsáveis federais e estatais. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros do país há a suspeita de que está a ser preparada desinformação antes das eleições alemãs.

Segundo Andrea Sasse, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, um grupo de hackers chamado Ghostwriter tem estado "a combinar ciberataques convencionais com operações de desinformação e influência", e que têm sido observadas "desde há algum tempo" atividades dirigidas contra Alemanha.

As eleições parlamentares alemãs estão marcadas para 26 de setembro e foram registadas tentativas de obtenção de dados e credenciais de acesso de responsáveis federais e estatais. O objetivo seria roubar a identidade dos responsáveis recorrendo a técnicas como esquemas com emails de phishing.

"Estes ataques podem servir de preparação para operações de influência, como campanhas de desinformação relacionadas com as eleições parlamentares", afirma Andrea Sasse.

Hackers russos levam a cabo campanha de ataques de força bruta contra centenas de organizações
Hackers russos levam a cabo campanha de ataques de força bruta contra centenas de organizações
Ver artigo

A porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros indica que "o Governo alemão tem informações fiáveis, com base nas quais as atividades dos Ghostwriter podem ser atribuídas a piratas informáticos do Estado russo e, especificamente, ao GRU, o serviço de inteligência militar russo ".

A atividade é considerada “inaceitável” e como "um perigo para a segurança da República Federal da Alemanha, para o processo de tomada de decisão democrática, e como grave tensão nas relações bilaterais".

A Alemanha já apelou ao Governo russo que para que ponha um fim imediato à atividade, dirigindo a exigência diretamente aos funcionários russos durante uma reunião de um grupo de trabalho germano-russo sobre política de segurança, onde Miguel Berger, vice-ministro alemão dos Negócios Estrangeiros levantou a questão junto do vice-ministro russo dos Negócios Estrangeiros.

Em meados de julho, o diretor da agência de inteligência alemã deu a conhecer que, desde fevereiro, a entidade tem vindo a concentrar a sua atividade nas tentativas de roubo de dados nas contas de correio eletrónico privado dos legisladores federais e estatais e do seu pessoal. Embora tenha referido que poucas dessas tentativas foram bem-sucedidas, nos casos em que o foram, aparentemente provocaram poucos danos.

As preocupações da Alemanha sobre a interferência russa estenderam-se também às atividades da emissora estatal RT, cujo serviço online em língua alemã tem vindo a enfatizar, ao longo dos anos, assuntos fraturantes, como a migração e as restrições impostas devido à pandemia do coronavírus.

A chanceler Angela Merkel negou recentemente, durante uma visita a Moscovo, que o seu Governo tivesse exercido pressão política para bloquear o pedido da estação para uma licença de emissão regular, que foi recusada em agosto pelas autoridades do vizinho Luxemburgo. A porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, acusou a Alemanha de tentar suprimir o canal, afirmando que o mesmo "diz o que os meios de comunicação social alemães não ousam dizer".

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.