Os especialistas da Comparitech, em parceria com o investigador de cibersegurança Bob Diachenko, descobriram uma base de dados online que continha dados de 267 milhões de utilizadores do Facebook. As informações comprometidas pertencem na sua maioria a norte-americanos, sendo que os seus nomes, números de telemóvel e Facebook IDs foram expostos.

De acordo com o relatório da empresa de segurança, Bob Diachenko terá descoberto a fuga de informação a 14 de dezembro. O investigador acredita que esta terá origem na atuação de um grupo de cibercriminosos vietnamitas. Embora a empresa fornecedora de acesso à Internet (ISP) que geria o endereço IP do servidor da base de dados tenha sido notificada imediatamente, as informações tinham já sido publicadas num fórum de hackers. Os dados expostos podem ser utilizados para levar a cabo ataques de spam e campanhas de phishing.

As perguntas (e respostas) mais importantes sobre o caso Cambridge Analytica/Facebook
As perguntas (e respostas) mais importantes sobre o caso Cambridge Analytica/Facebook
Ver artigo

A Comparitech acredita que os cibercriminosos podem ter conseguido recolher as informações de duas formas possíveis. Por um lado, os hackers podem ter explorado a interface de programação de aplicações do Facebook. Por outro, os atacantes podem ter utilizado tecnologia automatizada para levar uma campanha de “scraping” dos dados dos perfis dos utilizadores.

A descoberta dos investigadores da empresa de segurança é um de muitos casos de fuga de dados privados que se passou no Facebook. O escândalo mais conhecido ocorreu em 2018, com a consultora Cambridge Analytica a utilizar dados de 87 milhões de utilizadores da rede social para influenciar campanhas políticas em todo o mundo.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.