Em 2019, verificaram-se 6.758 casos de burla informática e nas telecomunicações, um valor que subiu para os 10.910 entre janeiro e outubro deste ano, refere a direção nacional da PSP. Em 2022, o número total deste tipo de burlas atingiu os 11.241 casos.

O número de detidos passou de dois em todo o ano de 2019 para 31 até outubro deste ano, com o número de suspeitos a subir de 251 para 390, no mesmo período.

"De entre os potenciais riscos a que, inevitavelmente, os utilizadores se expõem com o uso das novas tecnologias, a PSP destaca este ano a burla que ficou conhecida por "Olá pai, olá mãe", cujo número de ocorrências tem vindo a aumentar", pode ler-se no comunicado.

Os suspeitos utilizam maioritariamente a plataforma de mensagens Whatsapp e apresentam-se como um familiar muito próximo - normalmente filhos ou filhas - da potencial vítima e pedem dinheiro, alegando que mudaram de número.

"As ocorrências sinalizadas registam-se por todo o território nacional, com especial incidência nas zonas urbanas de maior densidade populacional", alerta a PSP, salientando que a troca de mensagens "poderá manter-se durante horas, com conteúdo informal e registos do dia-a-dia, com o intuito de avaliar a relação de proximidade entre a potencial vítima e o seu descendente".

As autoridades recomendam a qualquer pessoa que, quando confrontada com algo do género, tente fazer uma chamada de voz para o número, "a primeira e mais rápida forma de prevenção e de despiste de que poderá estar a ser alvo de uma tentativa de burla".

Fraude “Olá Pai / Olá Mãe”: PJ detém cidadão estrangeiro de 41 anos
Fraude “Olá Pai / Olá Mãe”: PJ detém cidadão estrangeiro de 41 anos
Ver artigo

A PSP pede as vítimas não realizem qualquer transferência de dinheiro "sem, pelo menos, previamente conseguir falar de viva voz e reconhecer a pessoa com quem pensa estar em conversação" e, nos casos em que isso não seja possível, devem fazer perguntas simples que o seu interlocutor deveria conhecer, como datas de aniversário ou outra informação pessoal.

"As burlas constituem um fenómeno criminal em crescendo, em contraciclo com a tendência da criminalidade geral no nosso país" e "apesar da existência de um maior acesso à informação e uma população mais informada, o célebre 'conto do vigário' continua a ser uma forma eficaz de obtenção ilegítima de valor patrimonial alheio", alerta a PSP.

Segundo as autoridades, "os idosos continuam a ser as principais vítimas de vários tipos de burlas praticadas pelos suspeitos", mas, nos últimos anos, "acompanhando a evolução tecnológica e as potencialidades do mundo digital", os suspeitos "têm atingido outro tipo de vítimas".

Recorde-se que, ainda este mês, a Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Leiria, deteve um cidadão estrangeiro suspeito do crime de burla qualificada por Whatsappno esquema que ficou conhecido como “Olá Pai, olá Mãe”. 

No início do ano a PSP tinha também alertado para o mesmo fenómeno, indicando que tinha recebido 10 denúncias por dia com burla “Olá Pai, Olá Mãe” e que o valor global ultrapassava 1 milhão de euros. Foi também revelado que a Ministra da Agricultura, e também o ex-presidente do Tribunal Constitucional, João Caupers, foram apanhados pela burla “Olá pai, olá mãe”, mas este último não chegou a fazer o pagamento.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.