A National Crime Agency do Reino Unido (NCA) vai liderar uma campanha em parceria com 32 países europeus, nos quais se inclui Portugal, e com o apoio da Europol e da Interpol, para exigir às gigantes tecnológicas medidas mais sérias para travar a exploração sexual infantil online.

A campanha da NCA surge após o Governo britânico ter apresentado uma proposta de lei que poderá fazer com que a Ofcom, a entidade reguladora da comunicação no Reino Unido, passe a escrutinar a atuação de redes sociais e plataformas digitais. O Executivo de Boris Johnson quer que as gigantes tecnológicas sejam mais responsáveis e que reforcem a sua atuação no que toca à remoção de conteúdo ofensivo ou perigoso, como a pornografia infantil.

A iniciativa levada a cabo pela NCA quer que as empresas garantam que o material relativo ao abuso sexual de crianças seja bloqueado logo que seja detetado, impedindo o aliciamento de menores nas suas plataformas e a transmissão em direto de práticas de exploração infantil. A campanha da NCA quer também que as empresas estejam dispostas a trabalhar com o governo e autoridades para pôr um fim a este crime.

Gigantes da tecnologia não estão a tomar medidas suficientes para travar a pornografia infantil online
Gigantes da tecnologia não estão a tomar medidas suficientes para travar a pornografia infantil online
Ver artigo

“Com apenas três cliques os nossos agentes conseguiram localizar material relativo ao abuso sexual de crianças na Internet. Não existe qualquer barreira à prática de crimes e isso não pode continuar”, afirma Lynne Owens, Diretora Geral da NCA, citada em comunicado à imprensa. Embora as autoridades continuem a tentar travar os criminosos, a agência britânica indica que é cada vez mais necessária uma resposta por parte das tecnológicas para combater os elevados níveis de criminalidade online.

A NCA esclarece que não deve existir tolerância em relação à presença de materiais relativos à exploração sexual infantil nas plataformas digitais. A agência lembra que os criminosos não se limitam a ver os conteúdos em questão: estes utilizam o meio online para abordar e manipular crianças, de forma a obter fotografias ou vídeos explícitos.

Autoridades não conseguem resolver os milhões de casos de pedofilia online identificados em 2018
Autoridades não conseguem resolver os milhões de casos de pedofilia online identificados em 2018
Ver artigo

Recorde-se que uma investigação publicada no ano passado demonstra que, em 2018, foram reportados mais de 18 milhões de casos de pornografia infantil online. Ao todo 45 milhões de imagens e vídeos ilegais foram sinalizados por diversas empresas tecnológicas, no entanto, estas não estão a tomar medidas suficientes, sendo que, em muitos casos, a sua atuação abre a porta à exploração sexual infantil online.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.