Uma investigação do The New York Times revelou que, em 2018, foram reportados mais de 18 milhões de casos de pornografia infantil online. Ao todo 45 milhões de imagens e vídeos ilegais foram sinalizados no ano passado por diversas empresas tecnológicas. De acordo com jornal americano este é um problema global, mas a sua raiz encontra-se nos Estados Unidos.

O problema da pornografia infantil antecede a era digital, contudo os avanços no desenvolvimento da Internet, dos smartphones e das redes sociais facilitaram a sua criação, partilha e armazenamento. Atualmente, as autoridades não têm meios suficientes para lidar com a quantidade de conteúdo que circula ilegalmente.

80% das visitas à rede TOR estão relacionadas com pedofilia
80% das visitas à rede TOR estão relacionadas com pedofilia
Ver artigo

As empresas tecnológicas têm vindo a tomar ação contra a exploração sexual infantil nas suas plataformas, só que os registos policiais analisados demonstram que podem demorar semanas, até meses, a responder aos inquéritos das autoridades. Além disso as gigantes tecnológicas localizadas em Silicon Valley são acusadas de facilitar a disseminação de conteúdo ilegal.

Em 2018 o Facebook Messenger foi responsável por quase dois terços dos casos de pornografia infantil online encontrados. No início de setembro de 2019 a empresa liderada por Mark Zuckerberg anunciou que estava a planear encriptar as mensagens enviadas na aplicação, algo que poderá dificultar ainda mais as investigações das autoridades.

Fora das redes sociais, os criminosos usam redes virtuais privadas e técnicas de encriptação para esconder  a sua verdadeira localização e o conteúdo que partilham. Ao publicar imagens e vídeos ilegais na “dark web”, a qual é inacessível através de um browser convencional, as redes de pedófilos online conseguem escapar à vigilância das autoridades.

Em 2008 o Congresso americano aprovou a PROTECT Our Children Act, uma lei que exigia ao Departamento de Justiça o desenvolvimento e implementação de uma estratégia nacional de prevenção e proibição de exploração infantil. A legislação previa também a melhoria da Internet Crimes Against Children Task Force, a equipa de intervenção responsável pela investigação de crimes online contra crianças.

Viagem ao lado escuro da Internet (mas não ao mais negro)
Viagem ao lado escuro da Internet (mas não ao mais negro)
Ver artigo

O relatório levado a cabo pelo New York Times revelou que o governo americano ainda não concretizou a vasta maioria das exigências da PROTECT Our Children Act. Por exemplo, foi autorizado o financiamento em 60 milhões de dólares para investigações estatais e regionais, contudo, apenas metade desse valor costuma ser aceite.

Além da redução do orçamento utilizado para lidar com casos de pornografia infantil as autoridades americanas não estão a conseguir lidar com os elevados números de ocorrências. Um em cada 10 agentes do Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos lida com casos de exploração sexual infantil. “Mesmo que o número de investigadores fosse duplicado, tal não seria suficiente”, declarou Jonathan Hendrix, um agente da entidade governamental em Nashville, Tennessee, ao jornal americano.

O mais recente relatório do National Center for Missing and Exploited Children deu a conhecer que neste sistema em “ponto de ruptura” a única forma de deter os criminosos será através dos avanços na área da machine learning. A tecnologia poderá ser utilizada pelas autoridades em parceria com gigantes tecnológicas para desenvolver um software que consiga detetar automaticamente pornografia infantil.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.