O Bitcoin sofreu mais um golpe significativo. Depois de a Noruega ter rejeitado a divisa virtual como uma forma legítima de dinheiro, depois de a China ter barrado a utilização da moeda pelos bancos e depois de a Autoridade Bancária Europeia também ter alertado para os perigos da moeda e de ter deixado no ar a possibilidade de a vir a regular, segue-se mais um "mercado" importante.

O Banco Central da Índia emitiu um comunicado onde lembra os perigos que os utilizadores correm quando estão a trabalhar com Bitcoins e outras criptomoedas. As declarações tiveram efeitos imediatos já que o maior mercado da moeda digital no país suspendeu temporariamente as transações.

No momento da publicação deste artigo o buysellbitco.in continuava parado. Este mercado era responsável pela transação média diária de 12 milhões de rupias em Bitcoins, cerca de 140 mil euros.

O fecho do maior mercado levou também à paralisação de mercados menores, como relata o ZDNet. Segundo informações da publicação, no mercado INRBTC todas as transferências que tenham sido feitas pelos utilizadores até ao dia 26 de dezembro ainda vão ser processadas, mas as que foram realizadas posteriormente não terão seguimento, sendo o dinheiro devolvido aos utilizadores.

O fecho dos mercados está relacionado com o facto de várias pessoas terem tentado vender os Bitcoins que detinham e não por ação do banco central, que não proibiu nem barrou a utilização da moeda virtual.

No dia 28 de novembro cada Bitcoin chegou a valer mais de 1.000 dólares, mas as sucessivas posições tomadas pelos governos e entidades bancárias fizeram o preço baixar. Atualmente cada Bitcoin vale perto de 795 dólares, cerca de , de acordo com os dados do Mt. Gox.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.