A conversa entre o secretário-geral do Movimento Partido Pirata Português, André Rosa, e o TeK surgiu no seguimento dos resultados dos partidos piratas nas eleições europeias. Nos próximos cinco anos apenas vai haver um pirata com assento no Parlamento Europeu. Para o líder do movimento nacional, o resultado global “está dentro das expectativas”.



O que ficou abaixo das expectativas foi o resultado do Partido Pirata Sueco, aquele que tinha conseguido eleger dois eurodeputados em 2009. Para André Rosa a situação explica-se por dois motivos: há cinco anos atrás os piratas suecos ganharam muita força por causa do escândalo do The Pirate Bay; e este ano o Partido Os Verdes da Suécia “roubou” muitos votos aos piratas.



Mas e o Partido Pirata Português? O movimento formado em 2009 tem desde então tentado reunir as 7.500 assinaturas exigidas para a constituição de um novo partido. Só que a tarefa não se tem mostrado fácil. André Rosa admite que não têm muitas assinaturas reunidas, mesmo não revelando valores, mas alimenta a esperança de poder participar nas próximas eleições legislativas portuguesas, que acontecem em 2015.



“Queremos ter as assinaturas para o ano, mas é uma situação complicada de gerir. Oficialmente somos 14 membros”, lembra o secretário-geral do Movimento PPP. “Faltam pessoas que queiram ajudar”, acrescentou.



A recolha de assinaturas está a ser promovida através da página oficial do movimento, que em breve vai receber uma transformação visual, que se irá estender até à imagem do partido, revelou André Rosa.



“Tivemos que nos refocar, estamos a tentar renascer”, explicou também a propósito da saída de alguns membros do movimento partidário. Apoiantes de uma democracia direta, o PPP apresenta-se como um partido aberto a toda a gente.



Existem algumas bandeiras e algumas questões com as quais o movimento se identifica, sendo exemplos disso a defesa da transparência e da privacidade pessoal, a partilha da cultura e o apoio aos conteúdos disponibilizados de forma aberta. O movimento político também defende uma reformulação das leis que regulam os direitos de autor.



Apesar de não ser ainda um partido reconhecido pelo Tribunal Constitucional, o PPP tem mantido contacto com outros partidos piratas da Europa, havendo sobretudo uma contribuição mútua na definição dos programas políticos a serem apresentados e usados.



Por fim André Rosa deixou um apelo para que os interessados visitem o site e participem na contribuição de assinaturas para que o Partido Pirata Português possa estar na folha de voto já nas próximas eleições.

Rui da Rocha Ferreira


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.