A recente onda de plataformas de emprego digital levou a novas formas de organização do trabalho e de distribuição das tarefas em toda a força de trabalho, com um em cada 10 adultos de vários países da União Europeia (UE) a já ter fornecido serviços desta maneira, pelo menos uma vez.

Estes números foram avançados por um relatório do Centro Comum de Pesquisa que, partindo das respostas de mais de 32 mil pessoas de 14 Estados-membro, delineou as principais caraterísticas dos trabalhadores das plataformas, permitiu conhecer as suas condições e motivações de trabalho e descreveu quais os tipos de serviços prestados.

“Muitos de nós já utilizámos plataformas digitais como clientes, talvez sem perceber que diferença fazem para os trabalhadores”, disse Tibor Navracsics, Comissário da Educação, Cultura, Juventude e Desporto, responsável pelo Centro Comum de Pesquisa.

O político húngaro esclarece que o “este relatório fornece uma base sólida para entender como essas plataformas funcionam e como elas afetam os desenvolvimentos no mercado de trabalho para que possamos melhorar as políticas da UE para ajudar as pessoas a conseguir empregos e protegê-las quando usarem esses fóruns para oferecer serviços ”.

Assim e segundo a pesquisa, um trabalhador típico das plataformas de emprego digital é um jovem do sexo masculino, com um grau de escolaridade superior e menos anos de experiência no mercado de trabalho do que a média tradicional. Serviços como desenvolvimento de software e de transporte são os mais dominados pelos homens.

As mulheres estão representadas em menor número o qual vai diminuindo à medida que a intensidade do trabalho aumenta, sendo os serviços de tradução predominantemente femininos.

Os serviços fornecidos através das plataformas digitais podem ser divididos naqueles que são efetuados digitalmente, como é exemplo a revisão de conteúdos de um site, e aqueles prestados no local, como entregas ou transportes. Em média, metade dos funcionários das plataformas realizam serviços digitais e no local e estão ativos em duas ou mais plataformas.

As diferenças também são significativas entre os 14 países da UE estudados. O Reino Unido tem a maior participação de pessoas que trabalham principalmente através de plataformas digitais (4,3%). Outros países com valores relativos elevados são os Países Baixos (2,9%) e a Alemanha (2,5%) e em Portugal, na Suécia e na Lituânia chega aos 1,6%. Do lado oposto estão a Finlândia (0,6%), a Roménia (0,8%) e a Eslováquia (0,9%).

tek grafico

Quanto ao status da situação profissional dos trabalhadores das plataformas digitais, mais de três quartos dos trabalhadores da plataforma são empregados (68,1%) ou trabalhadores por conta própria (7,6%). A maioria deles tem um emprego regular como atividade principal e o trabalho na plataforma é uma fonte secundária de renda.

Os resultados da pesquisa também sugerem que uma parcela significativa dos trabalhadores das plataformas que trabalham mais de 20 horas por semana ou que ganham mais da metade de sua renda via plataformas considera o seu trabalho na plataforma como uma forma de emprego dependente.

A flexibilidade e a autonomia são frequentemente mencionadas como motivações para o trabalho em plataformas, mas a falta de alternativas também é mencionada como um motivo importante.

Os resultados apresentados neste relatório sugerem um fenómeno emergente que a permanecer significativo necessitará de uma resposta mais ampla do que a diretiva relativa a condições de trabalho transparentes e previsíveis (dezembro de 2017) e a proposta de recomendação do Conselho relativa ao acesso à proteção social dos trabalhadores assalariados e independentes no pacote relativo à equidade social.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.