Com o aumento do tempo de exposição a ecrãs e utilização da internet e os riscos online a crescerem, os pais mostram-se mais preocupados com a segurança online dos seus filhos, como revela um estudo da Kaspersky. O inquérito realizado em 20 países indica que 84% dos pais revelam a sua preocupação, mas que existem ainda obstáculos para conversar sobre o tema e o descodificar para as crianças entenderem os riscos.

Os números partilhados relevam que, em média, os pais passam apenas 46 minutos a conversar sobre este tema durante toda a infância dos jovens, e que a maioria - mais de 58% - gastam menos de 30 minutos com este aspecto da segurança que é cada vez mais relevante.

O inquérito contou com quase 9 mil educadores de 20 países, responsáveis por crianças com idades entre os 7 e os 12 anos, revelando que 9 em cada 10 possuíam um tablet ou smartphone com ligação à internet.

30 minutos diários nas redes sociais aumentam risco de problemas de saúde mental nos jovens
30 minutos diários nas redes sociais aumentam risco de problemas de saúde mental nos jovens
Ver artigo

64% dos pais concordam que os seus filhos passam demasiado tempo na Internet, não beneficiando de outras atividades próprias da infância, e ficando expostos a diversos riscos. Entre as ameaças online mais perigosas, os educadores identificam como principais o conteúdo nocivo, de cariz sexual e violento (27%), o risco de exposição ao vício na Internet (26%) e mensagens anónimas ou conteúdos que os incentive a experimentar ações violentas ou inadequadas (14%).

Uma percentagem elevada dos inquiridos, 81%, consideram que a responsabilidade de identificar, reduzir e explicar às crianças os potenciais riscos associados à navegação na Internet, é uma tarefa que deve ser partilhada com a escola. Ainda assim, 86% acreditam que a figura parental é a mais credível para falar sobre o tema, uma vez que a maioria das crianças tem mais confiança na palavra dos pais.

Desafios para explicar às crianças e jovens os riscos e ameaças online

O estudo revela também os principais desafios que os pais encontram para explicar às crianças os riscos que existem. O mais relevante é explicar claramente quais são as ameaças, mas há também dificuldade em que os jovens encarem os perigos online com seriedade, e de dissuadir as crianças de serem influenciadas pelos colegas, dando confiança para não cederem à pressão dos pares.

“Ainda que seja completamente compreensível que os pais não queiram que os filhos tenham medo em ligar-se à Internet, é essencial que isso não signifique que adotem uma postura negligente quanto à sua segurança online. O equilíbrio é a peça-chave e uma criança informada é uma criança mais segura” indica Emma Kenny, psicóloga que trabalha em colaboração com a Kaspersky.

Jovens portugueses cada vez mais críticos com o que os "rodeia" na internet
Jovens portugueses cada vez mais críticos com o que os "rodeia" na internet
Ver artigo

Entre as recomendações para os educadores, a psicóloga refere que é importante que os educadores passem mais tempo com os jovens enquanto navegam na Internet, percebendo quais os websites que visitam com maior frequência e assegurando-se que contam com uma solução fidedigna que os proteja do contacto com conteúdo inapropriado ou ofensivo.

A própria empresa de segurança junta mais alguns conselhos, entre os quais aconselhar os jovens sobre o tempo que devem gastar nas redes sociais, tentando convencê-los a não estarem  ligados durante as atividades escolares e à noite, e não limitar o círculo de amigos nas redes sociais, mas alertá-los para a importância de fazer uma boa (e restrita) seleção.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.