A Amazon anunciou ontem os seus resultados financeiros relativos ao terceiro trimestre do ano que apontam para uma acentuada diminuição das perdas: de 170 milhões de dólares (174,5 milhões de euros) ou 46 cêntimos por acção no mesmo período do ano passado para 35,1 milhões (36 milhões de euros) ou nove cêntimos por acção.



Esta tendência deveu-se a um forte aumento das vendas nos sites internacionais da companhia e a uma agressiva política de redução de preços. Deste modo, as vendas aumentaram 33 por cento para 851 milhões de dólares (873,53 milhões de euros), ultrapassando a margem superior das estimativas da empresa, representando um montante de 830 milhões de dólares (852 milhões de euros), bem como as previsões dos analistas no valor de 810 milhões de dólares (831,44 milhões de euros).



"Estamos empenhados em diminuir os preços para os consumidores, apesar de ser dispendioso para nós", afirmou Jeff Bezos, fundador e director executivo, durante uma conferência de imprensa, referindo-se aos benefícios de reduzir os preços, em termos de conquistar novos clientes e receber encomendas maiores dos actuais.



As vendas internacionais, baseadas em encomendas efectuadas nos sites britânico, alemão, francês e japonês da Amazon, cresceram 90 por cento para os 264 milhões de dólares (271 milhões de euros), tendo cada um registado subidas de pelo menos 60 por cento.



Nos últimos meses, a Amazon tem oferecido promoções, como um desconto de 30 por cento em todos os livros com um preço superior a 15 dólares (15,39 euros) e portes gratuitos em encomendas acima dos 25 dólares (25,66 euros) de forma a atrair clientes. A companhia anunciou que iria manter a oferta dos portes pelo menos até ao fim das férias do Natal, antes de decidir se pode suportar continuar a oferecer a opção em encomendas pequenas.



Mas, esta promoção não tem sido barata. As perdas da companhia em portes foram de 10 milhões de dólares (10,26 milhões de euros) durante este último trimestre, comparando com os dois milhões (2,05 milhões de euros) no mesmo período do ano passado. De acordo com Bezos, é ainda demasiado cedo para avaliar os efeitos dos portes gratuitos, porque a medida é ainda desconhecida por maior parte dos 27 milhões de clientes activos da empresas - aqueles que compraram algo através da Amazon durante o ano passado. A companhia está a preparar uma campanha publicitária para o período das férias.



As vendas, de livros, música e DVDs, o principal negócio da Amazon, cresceu 17 por cento ou 142 milhões de dólares (145,76 milhões de euros), tendo esta unidade recebido um lucro operacional pro forma. As vendas da secção de electrónica, ferramentas e cozinhas cresceram 25 por cento ou 129 milhões de dólares.



Segundo os executivos da Amazon, o facto de terem quase literalmente oferecido telemóveis resultou em vendas mais fortes nessa unidade e um aumento das receitas geradas pelas comissões das operadoras móveis, mas essa unidade não será lucrativa numa base pro forma durante pelo menos mais um ano.



O comerciante online registou lucros pela primeira e única vez durante as férias do Natal do ano passado e espera obter outro quarto trimestre bastante forte. As suas previsões de vendas para o quarto trimestre variam entre os 1,32 a 1,42 milhões de dólares (de 1,35 a 1,45 milhões de euros), ou 19 a 28 por cento melhor do que no ano passado.


Notícias Relacionadas:

2002-01-22 - Amazon chega ao lucro pela primeira vez

2001-04-09 - Amazon.com espera 38 milhões de contos de lucros

2000-12-28 - Vendas de Natal da Amazon atingem os 31 milhões

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.