O consórcio entre a Imprensa Nacional - Casa da Moeda (INCM) e a empresa alemã AUGENTIC foi escolhido para apoiar a República dos Camarões na modernização do passaporte biométrico. O contrato de 10 anos, assinado ainda neste mês entre Martin Mbarga Nguele, o Delegado Geral para a Segurança Nacional, e Labinot Carreti, CEO da AUGENTIC e em representação do consórcio com a INCM, envolve, ao todo, um investimento de 200 milhões de euros.

A INCM avança que a implementação do programa de passaporte eletrónico na República dos Camarões vai abranger todo o processo de emissão de documentos de viagem. Está também prevista a transferência abrangente de tecnologia e capacitação para o país, apoiada pela experiência em outras implementações de e-Government a nível nacional e internacional.

Ao todo, o projeto é composto por três fases, financiadas pela parceria INCM-AUGENTIC no modelo de concessão Build, Operate & Transfer. Na primeira, será criada a infraestrutura de emissão dos passaportes, com um centro de registo e personalização e um data center de última geração, em Yaoundé, a capital do país, e um centro de registo de cidadãos em Douala.

Há 350 mil Cartões de Cidadão para levantar. Governo vai avançar com entrega em casa
Há 350 mil Cartões de Cidadão para levantar. Governo vai avançar com entrega em casa
Ver artigo

Na primeira fase está prevista também a renovação ou construção de oito centros regionais e diversos postos nas principais embaixadas e consulados em todo o mundo, assim como a configuração de sistemas de última geração e a formação a operadores e engenheiros do país.

A segunda etapa inclui a criação de novos postos de trabalho, sendo estabelecido um sistema logístico otimizado para permitir a emissão dos passaportes biométricos em menos de 48 horas. De acordo com a INCM, o sistema de emissão vai permitir a disponibilização de relatórios e estatísticas imediatos para o Gabinete de Segurança Pública dos Camarões. Já a fase final contempla a transferência de toda a solução para as autoridades nacionais.

Gonçalo Caseiro, Presidente do Conselho de Administração da INCM, afirma que o contrato representa para a entidade “um passo relevante na exportação de bens e tecnologia de ponta, correspondendo por si só a um aumento de 5% do volume anual de vendas”.

O responsável relembra que, em 2006, Portugal foi um dos primeiros países do mundo a implementar o passaporte biométrico. Assim, uma das missões da INCM é continuar a colocar todo o seu “arsenal” ao serviço de outros países.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.