O presidente executivo da Web Summit, Paddy Cosgrave, apelou hoje ao Governo português para ajudar os jovens a terem salários competitivos na área tecnológica. “Quando tens milhares de pessoas a mudar-se para Lisboa a auferirem salários base de Nova Iorque ou de São Francisco (Estados Unidos) na indústria tecnológica, torna-se mais dispendioso para as pessoas que residem em Lisboa localmente”, afirmou o cofundador da Web Summit, numa entrevista à Lusa, em Toronto, no Canadá.

Paddy Cosgrave sublinhou que este “não é um problema único em Lisboa”, mas semelhante ao que se passa em outras cidades, inclusive em Dublin (Irlanda), de onde é natural o responsável, considerada por muitos como a “cidade mais dispendiosa da Europa”.

O cofundador da Web Summit também recordou que muitos habitantes de Lisboa, através das redes sociais, expressaram preocupação com a realização do evento. “Tenho visto na internet muitas pessoas em Lisboa preocupadas que a Web Summit tenha atraído tantos jovens para a cidade. É preciso perceber que essas pessoas, na faixa etária dos 20 anos, não têm aquela disponibilidade financeira. A vida é-lhes mais dura e as pessoas com quem estão a competir, por exemplo, trabalha para a Google”, sublinhou.

Apesar de no início da pandemia vários rumores apontarem que a Web Summit estava de partida para a China, o promotor da conferência alertou o público em geral para “não acreditar em tudo que se lê nas redes sociais”.

“Lisboa realmente tornou-se a casa da Web Summit. Recordo-me quando viemos para Lisboa (2016), houve várias críticas desde as redes sociais e jornalistas na altura, que me perguntavam, o porquê de Lisboa, como se fosse uma decisão errada que tínhamos tomado, perante cidades como Londres ou Berlim”, lembrou. No entanto, os organizadores provaram o contrário, nos últimos cinco anos, Lisboa era desconhecido para muitas pessoas em 2016, mas tornou-se na "querida" da tecnologia na Europa.

“Muitas pessoas querem visitar a cidade, viver lá, o que cria muitas oportunidades e vários desafios” disse. O responsável também mencionou que tem pela frente “bons desafios e um problema a ser resolvida rapidamente”. “O único problema que Lisboa tem é o de ser muito popular pelas pessoas do setor tecnológico. É uma boa coisa, há 500 anos era a cidade mais importante na Europa, está-se a tornar rapidamente na cidade mais importante do mundo”, vincou.

O responsável pela conferência tecnológica espera que a autarquia lisboeta e o Governo português possam tomar a iniciada de ajudar os mais novos nos altos custos de vida.

A Web Summit está confirmada em Lisboa pelo menos até 2028, mas Cosgrave tem esperança que a conferência possa permanecer em Portugal por “muitos e longos anos”, estando essa decisão nas mãos do presidente do município nessa altura e também do governo português.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.