A Huawei não vai ser retirada da lista negra mas a empresa vai poder continuar a comprar tecnologia e produtos nos Estados Unidos, mediante uma licença especial. A confirmação foi feita ontem pelo secretário do Comércio da administração Trump, Wilbur Ross, que adiantou que vão ser emitidas licenças para empresas americanas venderem produtos à Huawei.

Segundo o Finantial Times, os limites vão ser aliviados apenas nos produtos que não ponham em causa a segurança nacional.

Existia expectativa de um acordo que desbloqueasse a compra de produtos norte americanos por parte da Huawei, depois das sanções impostas que deixaram a empresa num limbo que afetava a sobretudo a produção de smartphones, com uso de alguma tecnologia e patentes, e a utilização do sistema operativo Android.

Durante a cimeira dos G20 Donald Trump confirmou que os Estados Unidos iam permitir os negócios com a Huawei, a pedido de muitas empresas norte americanas, mas não detalhou como isso iria acontecer, nem se a empresa iria ser retirada da lista negra.

A decisão ontem comunicada  abre a possibilidade da Huawei continuar a vender os seus smartphones com o sistema operativo Android da Google, mas só se esta empresa quiser ter a licença própria para isso. O mesmo acontece com a Intel, Microsoft, ARM e muitas outras empresas norte americanas  com as quais a Huawei tem parcerias.

Tudo aponta para um período de trégua para a Huawei, ligado ao abrandamento da guerra comercial com a China. Mesmo assim parece não ter sido ultrapassada a limitação de venda de produtos da Huawei nos Estados Unidos, nem da autorização para utilização da rede de telecomunicações 5G.

A Huawei já tem um plano B para contornar as sanções, e com estas condições que não são tão claras como parece poderá querer manter o desenvolvimento de cjipsets e do sistema operativo em paralelo com a retoma dos negócios com as parceiras norte americanas.

As restrições aplicadas à Huawei levaram a empresa a prever quebras entre 40% e 60% nas encomendas internacionais dos seus smartphones, como avançou a Bloomberg em junho. Em volume, as vendas a nível internacional significam uma quebra entre 40 a 60 milhões de unidades.

Nota da Redação: A notícia foi atualizada com mais informação. Última atualização 11h31.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.