O Facebook, que enfrenta um crescente ceticismo em relação ao seu projeto de moeda digital, a Libra, poderá utilizar criptomoedas baseadas em moedas nacionais como o euro ou o dólar, designadas por stablecoins. A notícia é avançada pela Reuters que cita o atual responsável pelo projeto e significa uma mudança de planos relativamente ao projeto inicial.

De acordo com a agência, a informação foi divulgada por David Marcus numa conferência na área bancária este domingo, onde garantiu que o principal objetivo da empresa continua a ser a criação de um sistema de pagamentos mais eficiente. No entanto, o especialista explicou que a rede social está aberta a procurar abordagens alternativas para o token de moeda que pretende utilizar.

Membro do BCE não quer que europeus se deixem enganar com as “promessas traiçoeiras” da Libra
Membro do BCE não quer que europeus se deixem enganar com as “promessas traiçoeiras” da Libra
Ver artigo

David Marcus afirmou, durante o painel, que poderão haver alterações no projeto. "Em vez de termos uma unidade sintética poderíamos recorrer a uma série de stablecoins, de euros ou dólares por exemplo, uma moeda estável em stablecoins" explicou, admitindo que esta é uma das opções que devem ser consideradas. Ainda assim, David Marcus esclareceu que não estava a sugerir que as stablecoins fossem a nova opção preferida do grupo.

Após a sessão, o responsável pela Libra assegurou à Reuters que o Facebook continua a querer lançar o projeto em 2020, admitindo, no entanto, que essa meta pode acabar por não ser alcançada devido a vários obstáculos a nível de regulamentação que têm surgido. "Sempre afirmámos que não avançaríamos com o projeto a menos que abordássemos todas as preocupações legítimas e obtivéssemos a aprovação regulatória adequada. Portanto, não depende inteiramente de nós", referiu.

Um projeto que ainda não foi lançado mas que já enfrenta muitas dificuldades

Quando o Facebook anunciou em junho deste ano a Libra contava já com apoios de empresas como a MasterCard, Visa, PayPal, eBay, Uber, Lyft e Spotify, e outras, incluindo a portuguesa Farfetch, num total de 29 organizações envolvidas que vão funcionar como uma espécie de "membros fundadores" da criptomoeda. A rede social contava somar cerca de 100 parceiros até ao lançamento da tecnologia.

Libra Association abre programa de caça aos bugs antes do lançamento
Libra Association abre programa de caça aos bugs antes do lançamento
Ver artigo

No entanto, desde então tem vindo a surgir muita controvérsia em relação ao projeto. Em setembro Yves Mersch, membro do Banco Central Europeu, deixou claro que considera que a criptomoeda proposta inicialmente pelo Facebook poderá afetar a capacidade do Banco de definir a política monetária. Mais recentemente foi a vez da Comissão Europeia voltar a abrir um inquérito para saber que riscos é que a aplicação da moeda digital pode trazer em matéria de estabilidade económica e de privacidade dos dados dos utilizadores, quando em agosto já tinha aberto outro inquérito relativo a questões de quebra da lei da concorrência.

Para piorar a situação, este mês de outubro ficou marcado pelo abandono da Libra Association de vários parceiros,  como a Mastercard, a Visa, o eBay, a Mercado Pago e a Stripe. A notícia do abandonar do projeto por parte de cinco dos seus “membros-fundadores” chega uma semana depois de o PayPal ter anunciado o fim da sua parceria com a Libra Association.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.