A guerra no tribunal entre o Facebook e a ZeniMax começou em 2014, quando a rede social adquiriu o emergente sistema de realidade virtual Oculus Rift, por 2.000 milhões de dólares. A ZeniMax Media, parente dos estúdios de videojogos Bethesda Softworks e a id Software, acusou a empresa de Mark Zuckerberg de utilizar código de computador no seu sistema de realidade virtual que não lhe pertencia.

A ZeniMax alega que parte do software utilizado pelo Facebok foi desenvolvido por John Carmack, um dos fundadores do estúdio id Software, e considerado uma das maiores mentes da programação, quando ainda trabalhava na empresa. O programador saiu para abraçar o projeto da Oculus Rift, sendo acusado de levar consigo o software até então desenvolvido.

Segundo adianta a Bloomberg, a acusação pedia ao Facebook 500 milhões de dólares de indeminização e a cessação da venda do sistema Oculus Rift, mas o juiz Ed Kinkeade, do tribunal de Dalas, reduziu o pagamento para metade, rejeitando ainda a retirada do headset no mercado. O juiz afirmou que a coima corresponde a 200 milhões por quebra de contrato e 50 milhões por quebras de copyright.

Embora a ZeniMax esteja desapontada pela decisão do juiz em cortar pela metade o valor, mostrou-se satisfeita ainda assim pelos 250 milhões de dólares, mais 54 milhões de juros.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.