A sanção é o resultado de uma negociação com o 'gigante' norte-americano da Internet, que aceitou as acusações e assumiu uma série de compromissos na sua política de publicidade que se tornam obrigações, explicou a Autoridade da Concorrência num comunicado.

No centro da questão está a posição dominante que a Google tem nos servidores de anúncios para editores de 'sites' e aplicações móveis, que lhe permitiu dar tratamento preferencial às suas próprias tecnologias com a marca Google Ad Manager.

Isto beneficiou, em detrimento dos seus concorrentes, tanto o funcionamento do seu servidor de anúncios DPF através do qual os editores oferecem os seus espaços publicitários para venda, como a plataforma AdX que organiza o leilão daqueles espaços.

França multa Google em 1,1 milhões de euros por abuso da concorrência na classificação de hotéis
França multa Google em 1,1 milhões de euros por abuso da concorrência na classificação de hotéis
Ver artigo

Especificamente, o DPF deu vantagens à plataforma de vendas e a AdX favoreceu reciprocamente o servidor de anúncios do Google.
Um dos principais mecanismos utilizados foi que a DPF comunicava à AdX os preços propostos pelos concorrentes e podia assim utilizar esta informação para ajustar as suas ofertas nos leilões e aumentar as hipóteses de as ganhar.

Para o fazer, modificou as suas comissões de acordo com a pressão que observou da concorrência que, por seu lado, não tinha esses elementos à sua disposição.

A Google limitou a atratividade de outros servidores de publicidade, o que lhe permitiu "aumentar significativamente a sua quota de mercado e as receitas, que já por si são muito elevadas", observou o regulador.

Na origem deste processo está a queixa de três empresas do setor da imprensa: News Corp. (editora entre outras do The Wall Street Journal, The Sun e The Daily Telegraph), Le Figaro e o grupo Roussel La Voix (que publica vários jornais regionais em França).

A presidente da Autoridade da Concorrência, Isabelle de Silva, considerou as ações da Google "muito sérias" e salientou que é a primeira decisão no mundo sobre os processos de algoritmos complexos de leilões com os quais a publicidade 'online' funciona.

Na sua opinião, a sanção e os compromissos do motor de busca dos EUA, que serão vinculativos por um período de três anos, "permitirão o restabelecimento de condições de igualdade para todos os jogadores" e darão aos editores da web a capacidade de maximizar o seu espaço publicitário.

Além da multa, a Google terá de permitir aos concorrentes um mecanismo para possibilitar que o seu servidor DFP interopere com outros servidores externos para lhes dar a possibilidade de "uma concorrência por mérito" para que a AdX e outras plataformas externas tenham igual acesso à informação dos leilões.

A Google comprometeu-se a nomear um "mandatário independente", que será remunerado e que será responsável pelo controlo do cumprimento das suas novas obrigações. Este mandatário terá de transmitir a informação disponível à Autoridade da Concorrência francesa.

Este já é a segunda multa que a França aplica à Google este ano. Em fevereiro a Autoridade da Concorrência francesa multou a gigante tecnológica em 1,1 milhões de euros por abuso da concorrência na classificação de hotéis. Em causa está a criação e apresentação de uma classificação das estrelas dos hotéis que segue os seus próprios critérios e algoritmos em paralelo com a classificação oficial. Em França, as estrelas dos hotéis são atribuídas pela Agência de Desenvolvimento Turístico francesa controlada pelo Estado (Atout), mas a Google usava um sistema diferente. O sistema de classificação de hotéis já foi corrigido e o valor acordado.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.