No ano passado a Landing Jobs ajudou 150 pessoas com formação em novas tecnologias a mudarem de trabalho. Este ano a empresa pretende atingir o mesmo número, mas em metade do tempo, até ao final do primeiro semestre. E até ao final do ano o ritmo vai acelerar, esperando a tecnológica colocar 500 profissionais na rota de novas carreiras.

Os números foram partilhados pelo cofundador da Landing Jobs, Pedro Oliveira, em conversa com o TeK. “As empresas estão a desesperar”, comentou o executivo a propósito da dificuldade que as empresas têm em contratar profissionais de TI.

Esta ‘fome’ tecnológica tem ajudado ajudado a startup a crescer quase sempre de forma orgânica, tendo sido alvo apenas de uma ronda de investimento no ano passado. Este ano a Landing Jobs pretende voltar a financiar-se, mas será “uma pequena ronda apenas para acelerar o crescimento da empresa”, explicou Pedro Oliveira. 

Isto porque a startup está a evoluir a bom ritmo e até junho vai atingir o break-even, o momento em que a empresa paga o investimento realizado e pode começar a ter lucro. Espanha, Itália, Holanda e Alemanha são as próximas prioridades da empresa. 

O tempo ajudou a Landing Jobs não só a perceber melhor o seu mercado - enquanto Jobbox.io era uma plataforma de referenciação profissional -, como os ajudará a atingir um novo patamar em termos de serviço. Pedro Oliveira quer que a plataforma da startup seja o gestor de carreira dos profissionais de TI.

“Queremos tornar a Landing Jobs num career manager, queremos ajudar as pessoas antes de irem para a faculdade. Queremos ser o seu Jorge Mendes, mas em grande escala. Queremos que tenhas o controlo da tua carreira como tens no jogo FIFA”, detalhou o confundador.

A repetição do verbo ‘querer’ nas declarações são um espelho do entusiasmo que Pedro Oliveira mostra relativamente ao futuro da plataforma. “Quem vai gerir a carreira das pessoas? As empresas é que não. Quem tem a propriedade da sua carreira são os candidatos”.

Se um programador júnior pretende para a sua carreira ser o gestor de produto de uma determinada empresa, a Landing Jobs quer garantir todas as condições para que isso aconteça. Se uma pessoa só quiser ofertas de trabalho em startups, é isso que a plataforma vai garantir. Se um profissional quiser chamar a atenção de determinadas empresas, o serviço deverá ser capaz de dar indicações para que tal seja possível.

Para chegar a este cenário Pedro Oliveira admite que “ainda há muito trabalho para ser feito”, mesmo na atual perspetiva de mercado de trabalho que é a Landing Jobs, sobretudo na componente de machine learning e de dar significado ao grande volume de dados que vão sendo reunidos.

Por agora o objetivo do cofundador é muito mais direto e simbólico: querem que outra startup portuguesa, a Veniam, passe a contratar na sua plataforma, o que para a Landing Jobs significaria o ‘pleno’ das startups portuguesas que considera mais valiosas.

O recado está dado.

Um ano atarefado
Além do break-even, da ronda de financiamento, da expansão internacional e das oportunidades que quer garantir aos utilizadores da plataforma, a Landing Jobs tem mais planos na sua agenda.

Em primeiro lugar está previsto o regresso do Landing Festival, um evento que procura juntar profissionais de TI às empresas que estão a contratar - na primeira versão que aconteceu no ano passado apareceram mais de 600 candidatos.

Além do evento em Lisboa a startup vai realizar também eventos em Londres, Inglaterra, e em Berlim, na Alemanha.

Já depois do Landing Festival ‘português’ a empresa vai organizar um outro evento onde vai trazer as suas empresas clientes para o financiamento de 100 bolsas de estudo na área das tecnologias da informação. Para Pedro Oliveira este é um dos dois caminhos a seguir para dar resposta à falta de profissionais de TI. O outro passa pela requalificação profissional.

Em 2015 a própria Landing Jobs ofereceu uma bolsa de estudo a um aspirante a ‘computer scientist’ e recebeu há duas semanas o resultado das suas notas: está com média de 18 valores.

“É preciso incentivar, isto faz a diferença”. O cofundador da startup considera que as empresas que garantirem uma bolsa a um aluno terão um lugar à sua espera quando os estudos terminarem. Um exemplo de ‘engenharia’ de investimento que gera uma situação em que as duas partes ganham.

Rui da Rocha Ferreira

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.