Foi em setembro de 2020 que a NVidia oficializou o interesse na aquisição da Arm por 40 mil milhões de dólares. E tinha como objetivo reforçar os seus negócios na área dos semicondutores, inteligência artificial, assim como expandir as instalações da Arm para um centro de investigação de IA de classe mundial. O negócio nunca caiu bem na indústria tecnológica, pela eventual posição dominante que a fabricante conhecida pelas placas gráficas iria obter, e desde então tem sido alvo de constante escrutínio e queixas dos próprios clientes da Arm.

A própria autoridade da concorrência britânica defendeu que a aquisição da Arm poderia sufocar a inovação em múltiplos mercados, sendo prejudicial para a concorrência e consumidores, pedindo mais tempo para analisar o processo.  O certo é que pouco ou nada foi avançado desde o anúncio e a NVidia deverá estar prestes a “lançar a toalha ao chão” na aquisição da tecnológica.

NVidia oficializa aquisição da ARM por 40 mil milhões de dólares
NVidia oficializa aquisição da ARM por 40 mil milhões de dólares
Ver artigo

A notícia é avançada pela Bloomberg, que cita fontes próximas ao negócio, referindo que a falta de avanço no processo pode levar a NVidia a cancelar a sua oferta à SoftBank Group. A fabricante de placas gráficas já terá avisado os seus parceiros de que o negócio se realize. Por outro lado, a SoftBank poderá manter o interesse na venda da Arm e no caso do negócio falhar poderá lançar uma IPO (Oferta Pública).

Provavelmente o “golpe final” do negócio foi aplicado pela FTC, que referiu no mês passado que a NVidia iria tornar-se demasiado poderosa ao ganhar controlo dos designs de processadores da Arm. A reunião das duas empresas iria prejudicar de forma injusta os rivais da NVidia, disse o regulador. A Bloomberg afirma também que as autoridades chinesas também estão inclinadas a bloquear a compra, embora segundo a testemunha, nem sequer esperam chegar a esse ponto.

Em declarações oficiais, tanto a NVidia como a SoftBank mantêm a esperança de que o negócio seja aprovado. No entanto, devido aos designs de chips da Arm serem utilizados nos diversos sectores, desde um simples smartphone ou computador aos equipamentos industriais e automóveis. Por isso, a neutralidade do modelo de negócio da tecnológica fica em causa com a sua aquisição. A vida da NVidia também não foi facilitada pelas gigantes rivais, Qualcomm, Microsoft, Intel e Amazon que se juntaram num grupo para alimentar as autoridades com motivos de como o negócio é prejudicial, acrescentam as fontes da Bloomberg.

O prazo para a conclusão do negócio é válido por dois anos, expirando no dia 13 de setembro. Mas foi referido que este acordo pode ser renovado automaticamente se o processo se atrasar. Na altura, a NVidia apontava um período de 18 meses. Além do regulador americano, o negócio também terá de receber o aval da Comissão Europeia e do Reino Unido, mas também da China. E se falhar o negócio, a NVidia poderá perder a entrada de 2 mil milhões de dólares que pagou no início do processo, que inclui 1,25 mil milhões de taxa de cancelamento.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.