A separação das duas unidades vai custar à empresa cerca de 50 milhões de euros por ano até estar concretizada, mas abre caminho a poupanças na ordem dos 100 milhões de euros, já em 2015, um valor que aumentará para 200 milhões em 2016.



A área que agrega saúde e soluções para o consumo é a mais valiosa, para a qual a empresa holandesa prevê vendas de 15 mil milhões de euros. A área dedicada à iluminação, onde está o negócio dos LED, deverá valer 7 mil milhões de euros anuais.



"Compreendo o efeito que pode ter a decisão de dividirmos, mas é o momento adequado para dar este passo estratégico e continuar a evoluir", detalha numa declaração o diretor executivo da empresa, Fran van Houten.


Recorde-se que em janeiro a Philips tinha já deixado o mercado dos televisores, vendendo a participação de 30% na joint-venture que mantinha com a TPV Technology àquela empresa, abandonando a TP Vision.

A área do som, que a Philips explorava através da marca Woox, também já tinha sido vendida em abril ao grupo Gibson.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.