A maioria dos CEOs de empresas à escala mundial considera que as medidas de contenção de custos postas em curso nos últimos dois anos foram suficientes para a partir de agora se concentrarem mais agressivamente nas oportunidades de crescimento e investimento. Segundo o estudo "The Global CEO Study 2004", elaborado pela unidade de consultoria da IBM, 80 por cento dos responsáveis empresariais declarou que o seu objectivo central se deslocou da redução de custos para o crescimento das receitas.



Para dois terços dos CEOs o crescimento será originado pelo desenvolvimento de novos produtos durante os próximos cinco anos, e mais de metade espera lançar-se em novos mercados em busca de oportunidades de crescimento. A Ásia e a China são citadas em particular como novos mercados chave para o aumento de receitas.



Para superarem os seus novos objectivos de crescimento, 90 por cento dos CEOs inquiridos pela unidade de consultoria da IBM quer que a sua empresa a cinco anos tenha uma resposta mais célere aos clientes, quando metade aponta um prazo de dois anos para alcançar tal objectivo.



Mais de 60 por cento dos responsáveis empresariais sente que necessita de fazer uma mais adequada captação e tratamento da informação dos clientes. Cerca de 50 por cento advoga uma maior customização dos produtos por segmentos específicos de cliente, e para a maioria de CEOs a contribuição do cliente no desenvolvimento de novos e melhores produtos deveria aumentar significativamente.



À medida que se concentram no crescimento das suas empresas, os CEOs destacam, no entanto, alguns potenciais obstáculos. A maioria acredita, como exemplo, que as suas companhias não são ágeis o bastante para identificar e perseguir novas oportunidades de mercado.



Para 80 por cento a capacidade de responder rapidamente às mudanças no mercado é uma das prioridades principais para os próximos anos. Apenas 13 por cento dos responsáveis empresariais avalia a sua organização como "muito apta" para responder às condições variáveis de negócio, e menos de 10 por cento considera que as suas companhias são capazes de dar resposta às suas três ameaças principais.



Aproximadamente 60 por cento dos CEOs sente que a principal barreira a mudar para controlar a necessária transição são as competências, as potencialidades limitadas e liderança internas. Menos de 10 por cento dos dirigentes inquiridos classifica a taxa de gestão da mudança como muito bem sucedida. Mais de metade acredita que não ter as competências requeridas para se dirigir a novos mercados e agarrar oportunidades de crescimento emergentes.



Já para 75 por cento dos CEOs, a formação do empregado transformar-se-á num factor crítico do sucesso da sua empresa. "As competências das pessoas são consideradas agora mais importantes do que factores perenes como a tecnologia, a globalização e assuntos regulamentares", refere o estudo.



Foram poucos os CEOs que durante o estudo se mostraram sensibilizados com as questões ambientais, socio-económicas ou geo-políticas, salienta-se.



O "The Global CEO Study 2004" pretende fornecer uma visão detalhada das prioridades no planeamento dos CEO por os próximos anos e baseou-se nas entrevistas directas a uma amostra de 456 CEOs de topo à escala mundial.



Notícias Relacionadas:

2004-02-18 - Mercado nacional das TI deverá crescer mais do que o PIB

2004-02-17 - Retoma do sector nacional das TMTs começa este ano

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.