A Toshiba anunciou hoje a chegada a Portugal do Mobile Zero Client (TMZC), uma nova solução baseada na “nuvem” que adapta os portáteis que a marca tem de momento no seu portfólio corporate às reais necessidades das empresas clientes, permitindo-lhes executar qualquer tarefa com todos os recursos e dados associados armazenados fora das máquinas.

Esta é uma “solução totalmente pioneira no mercado europeu”, dizem os responsáveis da marca, e uma plataforma que altera de fábrica o firmware dos portáteis, adicionando-lhes uma BIOS personalizada, ao mesmo tempo que dispensa a presença do próprio sistema operativo e remove componentes de hardware como o disco rígido, por exemplo.

Os portáteis do segmento empresarial da Toshiba continuam disponíveis na sua forma tradicional, mas as empresas passam a poder também adquirir esses modelos modificados mediante as directrizes desta solução, que, diz a marca, “faz com que cada utilizador tenha o seu próprio desktop virtual, esteja a trabalhar no escritório ou em casa, sem ter informação armazenada na máquina”.

Todas as funcionalidades e dados estão assim localizados numa infra-estrutura virtual baseada na cloud, “eliminando riscos associados a ataques de malware ou à perda de informação confidencial em caso de extravio do portátil”.

O segredo está na BIOS

Para garantir o bom funcionamento desta nova solução, a Toshiba desenvolveu uma “BIOS zero client”, capaz de “restringir qualquer tentativa de ligação a partir de redes ou dispositivos não autorizados e garantir uma boa instalação em qualquer infra-estrutura empresarial”, refere Christian Schulz, com quem o TeK esteve à conversa agora que a solução chega ao mercado português.

“Resolvemos utilizar a nossa vasta experiência no desenvolvimento de portáteis Portégé e Satellite Pro para redesenhar o firmware destas máquinas e para que passem a ser verdadeiros mobile zero clients, sem sistema operativo ou disco rígido e apenas com componentes essenciais como são o processador e a memória RAM, entre outros”, explica o Senior Product Manager Europe referindo-se ao TMZC. As vantagens são muitas, diz, entre as quais se destaca a mobilidade e a possibilidade de, com esta solução, cada colaborador poder trabalhar em qualquer local e sempre com recurso ao seu ambiente de trabalho virtual, sem conteúdos armazenados localmente.         

“E a solução TMZC é completamente adaptável às necessidades das empresas, tal como pode ser facilmente integrada em qualquer infra-estrutura de TI sem descurar parâmetros de segurança”, diz Christian Schulz. “Trabalharemos com cada empresa cliente para configurar o firmware em causa de acordo com as suas necessidades, isto sem descartar qualquer modalidade ou produto que já temos na nossa oferta atual. É este o nosso objetivo principal, servir o cliente de um modo personalizado, sempre apontando a estas três diretrizes essenciais: a mobilidade, a flexibilidade e a segurança”, garante o responsável do TMZC para o mercado europeu.

[caption][/caption]

Christian Schulz, Senior Product Manager Europe da Toshiba

“No fundo, estamos a pegar no conceito de thin client empresarial e a simplificá-lo, removendo hardware e programas desnecessários, otimizando a gestão de recursos e TI de forma personalizada, o que traz mais segurança e flexibilidade”.

Recolher feedback

Com o lançamento oficial a nível europeu a acontecer hoje em Lisboa, “visto que Portugal país está agora no centro das atenções da Europa”, a prioridade está, numa primeira fase, na recolha de feedback junto dos clientes da Toshiba, conforme explica João Dessa, Sales Manager B2B para o mercado português. A nova solução está disponível via venda direta ou através de parceiros, tal como tem acontecido neste segmento desde sempre.

“Queremos recolher feedback junto dos clientes, antes de mais. E a comercialização da solução TMZC será completamente livre e seguindo as vias tradicionais, pois esta é mais uma forma de disponibilizar os nossos portáteis ao nosso mercado empresarial”, informa João Dessa. O responsável de vendas da Toshiba B2B em Portugal promete ainda que “a qualidade é a mesma, envolvendo sempre a compra dos portáteis”. Esta não é uma solução as a service, nem tão pouco um aluguer de máquinas e serviços, pois “implica sempre a programação da BIOS e firmware dos portáteis em função do que o cliente pretende”. Christian Schulz completa a explicação do conceito: “Podemos ‘ensinar’ aos portáteis a forma como a empresa deseja trabalhar e configurar tudo à medida”.

Preços não sofrerão alterações significativas

Perante uma nova solução que altera tanto o hardware como os recursos a que a empresa cliente tem acesso, seria de prever que os preços associados aos portáteis corporate da Toshiba sofressem agora ajustes. Mas os responsáveis da marca garantem que tal não acontecerá.

“Os preços dos portáteis com esta solução dependerão do que o cliente quer, pois vamos adaptar as máquinas e respetivos sistemas às necessidades e características da empresa. Por um lado, os valores baixam por estarmos a remover elementos como o disco rígido e o sistema operativo, por exemplo; por outro, o trabalho de configurar tudo conforme o cliente deseja tem um custo associado”, diz Christian Schulz, prometendo, desta forma, que “os preços andarão na ordem do que já conhecemos em cada mercado europeu”. João Dessa, por sua vez, garante que “a Toshiba não perderá qualquer negócio empresarial por causa do preço, isso é certo”.

[caption][/caption] João Dessa, Sales Manager B2B Portugal da Toshiba

O Sales Manager B2B Portugal da marca vai ainda mais longe: “Queremos continuar a crescer na Europa e em Portugal, isto no que diz respeito ao mercado B2B”. A fabricante espera poder vender mais unidades com a disponibilização da nova solução TMZC, “apesar de nesta altura prévia de lançamento ainda não existirem dados que permitam perceber qual será o impacto da nova solução nas vendas da Toshiba em Portugal”. A prioridade é perceber como o mercado reagirá a esta nova solução e somente depois podemos tirar conclusões, refere. “Sendo o TMZC uma solução taylor made, certamente que vamos crescer nas vendas e na satisfação das empresas que confiam em nós. O futuro será risonho, temos a certeza”, acrescenta Christian Schulz.

Toshiba dedicada ao mercado B2B

Depois de a marca ter definitivamente anunciado a saída dos mercados de consumo na Europa e estabelecido novos objetivos gerais, o TeK quis saber de que forma está o mercado empresarial português a reagir a essa “movimentação”. João Dessa é aqui a cara de uma marca satisfeita com a decisão. “Somos realmente bons neste ambiente empresarial e estas mudanças na estratégia da empresa estão a ser muito positivas, permitem-nos estar concentrados no que realmente sabemos fazer”, refere.

O responsável de vendas B2B português relembra ainda que a Toshiba esteve sempre neste mercado ao longo do tempo e teve sempre com uma presença muito forte: “agora, é como a marca estivesse a regressar à sua zona de conforto e a atuar apenas no sector em que consegue ser mais competitiva, seja a satisfazer os seus clientes e parceiros, seja na produção própria de equipamentos como os portáteis Portégé e Satellite Pro, por exemplo”.

Sobre o assunto, Christian Schulz completa com a crença de que “os clientes estão confiantes, pois sabem que temos todas as nossas atenções e esforços concentrados neste segmento, o que é bastante bom. É um ‘refocar’ de estratégia, no fundo, o que só pode ser bom tanto para a empresa como para os clientes empresariais”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.