A Huawei escolheu a França como o local para a construção da sua primeira fábrica de equipamentos para redes 4G e 5G na Europa. A fabricante chinesa avança que vai investir 200 milhões de euros na primeira fase de construção das instalações que permitirão a criação de 500 postos de trabalho.

A empresa indica, em comunicado à imprensa, que a nova fábrica em França produzirá tecnologia para clientes europeus. A Huawei afirma que a escolha da localização se relaciona com o facto de o país ter “infraestruturas com um elevado grau de maturidade e mão-de-obra altamente qualificada, além de um posicionamento geográfico importante”.

A França ainda não iniciou o processo de implementação de redes 5G. No entanto, espelhando em parte a decisão tomada pela Vodafone no Reino Unido, a francesa Orange deu a conhecer que tinha contratado a Nokia e a Ericsson para desenvolver a rede móvel de quinta geração no país.

A decisão anunciada por Liang Hua, Chairman da fabricante chinesa, numa conferência de imprensa em Paris, surge após várias empresas e países europeus manifestarem a sua posição em relação a empresas consideradas de "alto-risco", como a Huawei.

Por um lado, no final de janeiro, a Comissão Europeia lançou um conjunto de ferramentas para mitigar os perigos relacionados com a adoção do 5G pelos seus Estados-Membros. A “toolbox” anunciada por Margrethe Vestager, vice-presidente executiva da pasta Era Digital, não visa nenhum país ou empresa em específico, mas contém medidas cujo objetivo é respeitar “o mercado interno e os cidadãos contra os perigos cibernéticos relacionados ao 5G”.

As empresas chinesas "não devem participar na evolução do 5G em Portugal", afirma Robert Strayer
As empresas chinesas "não devem participar na evolução do 5G em Portugal", afirma Robert Strayer
Ver artigo

Por outro lado, os Estados Unidos têm vindo a fazer pressão sob os seus aliados para não incluírem tecnologias de empresas como a Huawei nas infraestruturas de redes de quinta geração. Portugal, por exemplo, recebeu recentemente uma visita de Robert Strayer, responsável pela política cibernética do Departamento de Estado norte-americano, o qual afirmou que este tipo de organizações "não deve participar na evolução do 5G em Portugal".

O vice-secretário de Estado adjunto elucidou que o problema não se centra tanto nas fabricantes, mas sim no facto de terem de obedecer ao Partido Comunista chinês, algo que põe em causa a segurança das infraestruturas. Um dos casos que está a preocupar o governo de Donald Trump é o do Reino Unido, o qual recentemente fechou um acordo limitado com a Huawei para a construção da sua rede 5G. O responsável indicou que se se reconhece que a tecnologia da fabricante não deve estar no núcleo da insfraestrutura, então esta “não deve estar em parte alguma”.

Governo apresenta estratégia sobre o 5G: quer duas cidades com 5G até final do ano. Uma no interior
Governo apresenta estratégia sobre o 5G: quer duas cidades com 5G até final do ano. Uma no interior
Ver artigo

A visita de Robert Strayer surgiu após o Governo português ter revelado o plano estratégico para o 5G, com as metas de cobertura e o enquadramento em relação às obrigações dos operadores. O responsável afirmou ainda que está confiante que, a longo prazo, as operadoras de telecomunicações portuguesas implementarão “apenas tecnologia fiável” de fabricantes como a Nokia ou Ericsson.

Este mês estamos a celebrar os 20 anos do SAPO TeK. Saiba mais em https://tek.sapo.pt/tag/SAPOTEK20anos

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.