Segundo a ESA, a observação por satélite "poderá ajudar, no futuro", a monitorizar a extensão do plástico depositado nos oceanos e ver de onde vem e para onde vai "se se demonstrar que funciona na prática".

"O nosso objetivo é responder a algumas questões fundamentais. Para começar, conseguimos detetar plásticos a flutuar com a monitorização espacial? E, se assim for, que técnicas são mais promissoras?", exemplifica Peter de Maagt, que supervisiona na ESA a campanha de testes.

De acordo com o Instituto de Investigação Deltares, que publica informação sobre o projeto na sua página na internet, os testes deverão ficar concluídos em janeiro. Nessa altura, saber-se-á se os satélites em órbita podem monitorizar o lixo de plástico nos oceanos ou se será necessário construir novos satélites, mais especializados.

"Os plásticos perturbam os padrões das ondas dos oceanos e o satélite mede essa perturbação", assinala Anton de Fockert, engenheiro hidráulico do Instituto de Investigação Deltares, acrescentando que investigadores, nomeadamente de Portugal, Espanha e Reino Unido, estão a trabalhar para ver se é necessário "fazer ajustes aos seus instrumentos" ou "determinar as melhores frequências para detetar os plásticos".

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.