Segundo a sentença do tribunal, a que a Lusa teve acesso, a Nowo foi absolvida de duas contraordenações muito graves, e uma contraordenação grave relacionadas com a alteração de preços sem comunicação.

O tribunal condenou a Nowo, no entanto, por uma contraordenação muito grave, da qual "resultou a prática de infrações graves, numa coima de 90.000,00 euros" e por "uma contraordenação grave", numa coima de 7.000 euros, tendo resultado num cumulo jurídico a uma coima única de 94 mil euros.

Em causa está uma série de coimas aplicadas pela ANACOM a vários operadores, incluindo à Nowo, por "terem adotado comportamentos suscetíveis de violar as regras legais aplicáveis à comunicação de alterações dos preços contratados em relação a um elevado número de assinantes, dos quais resultou a prática de contraordenações graves, e por não terem prestado informações à ANACOM", destacou, num comunicado em novembro.

Operadoras somam multas de 15 milhões de euros por alteração de preços de serviços sem comunicação
Operadoras somam multas de 15 milhões de euros por alteração de preços de serviços sem comunicação
Ver artigo

O Tribunal da Concorrência considerou, entre outros aspetos, que "não se provou o benefício obtido em consequência da infração, sendo que, conforme resultou provado, no ano 2019 a arguida apresentou um resultado negativo superior a 30.000.000,00 de euros".

Por outro lado, destacou, "em alterações tarifárias posteriormente efetuadas pela arguida nos denominados serviços premium de televisão (nos anos de 2018 e 2020), esta comunicou tais alterações de forma completa e no prazo devido".

O tribunal considera que "tal facto é revelador de necessidades de prevenção especial consideravelmente diminuídas. Na verdade, é demonstrativo que a arguida assimilou o conteúdo, utilidade e finalidade da norma, não voltando a repetir a infração, não obstante ainda não estar condenada".

No seu comunicado de 14 de novembro, a ANACOM destacou "os comportamentos adotados por estes operadores prendem-se com a falta de informação, no prazo contratualmente previsto, sobre o direito de os assinantes poderem rescindir os seus contratos sem qualquer encargo, no caso de não concordarem com o aumento de preços propostos pelos operadores".

Além disso, "está também em causa a não comunicação da proposta de aumento de preços de forma adequada, pois, nuns casos, o valor concreto do aumento só foi dado a conhecer aos assinantes muito depois destes terem sido informados que os preços iriam aumentar e, em outros casos, pelo facto de o valor concreto do aumento proposto não ter sido disponibilizado na forma e no local indicado na comunicação da alteração contratual".

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.