Em outubro, e com algum atraso em relação ao mês habitual devido à pandemia, a Apple deu a conhecer a nova linha de quatro iPhone 12. Depois da versão "normal" e do iPhone 12 Pro serem as primeiras a chegar na maior parte das regiões, a gigante tecnológica anunciou o lançamento dos outros modelos, o iPhone 12 mini e Pro Max, em mais de 50 países a partir desta sexta-feira, 13 de novembro. Como tem sido habitual, o Brasil é o país com as duas versões mais caras do iPhone, muito graças às taxas bastante elevadas, mas Portugal também ganha destaque na tabela.

Os brasileiros vão poder pré-encomendar os dois modelos do iPhone a partir desta sexta-feira e só uma semana depois é que chega às lojas. Mais uma vez, não vão ter muita sorte em relação ao preço. Até agora, o Brasil é o país onde o iPhone 12 mini e o Pro Max saem mais caros aos consumidores.

iPhone 12: Do design ao "corte" de acessórios na embalagem. A Internet não perdoa nos memes
iPhone 12: Do design ao "corte" de acessórios na embalagem. A Internet não perdoa nos memes
Ver artigo

O iPhone 12 mini (64GB), por exemplo, custa 1.268 dólares, no Brasil. Itália surge como o segundo país onde o modelo é mais caro. Portugal encerra o top 3, de acordo com os dados compilados pelo site brasileiro tecnoblog e com os valores em dólares para serem mais facilmente comparados. Em Portugal a versão mini do iPhone 12 custa 829 euros, o que o site brasileiro converte para 984 dólares.

O Brasil também lidera no que diz respeito ao preço do iPhone 12 Pro Max (512GB), ultrapassando os 2.535 dólares nessa região. Apesar de Portugal já não constar do top 3, ocupa a quarta posição, com o preço do modelo a ficar-se nos 1.934 dólares, nos dados do site. Em euros o valor é de 929.

Com ambos os modelos já disponíveis para pré-encomenda em Portugal no site da Apple, quem quiser comprar o iPhone mini tem de gastar, pelo menos, 829 euros. Já o iPhone 12 Pro Max é, naturalmente, mais caro, começando nos 1.279 euros. Ambos chegam às lojas esta sexta-feira, 13 de novembro.

Estes valores são bastante diferentes dos de 2017, quando Portugal não surgia no top 10, ocupando a 11ª posição dos países onde o iPhone 7 e o iPhone 6s eram mais caros. Há três anos o Brasil arrecadava o segundo lugar em relação à versão 7 do iPhone, sendo apenas ultrapassado pela Turquia.

Porquê as diferenças de preços tão consideráveis entre os países?

Ainda assim, e como observa o 9to5mac, o Brasil pode perder o primeiro lugar no ranking assim que o iPhone 12 for lançado na Argentina, onde os preços são geralmente mais elevados. Apesar de a Apple não explicar como define os valores dos modelos, eles variam de acordo com os impostos e a moeda de cada país.

Espreite na galeria o evento do lançamento das quatro versões do iPhone 12. 

No Brasil e na Índia, por exemplo, o governo estabelece impostos elevados para equipamentos que não são fabricados no país. Apesar de a Apple estar a apostar no lançamento de fábricas nos dois países, a verdade é que, mesmo assim, existem outras taxas, além das taxas de importação, que fazem aumentar o preço dos equipamentos.

A moeda local destes países também tem um grande impacto nos preços de equipamentos como o iPhone. A empresa da maçã define valores mais elevados, de forma a garantir que não existem perdas com as oscilações de câmbio constantes, algo muito comum no Brasil.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.