Enquanto vasculha os céus para mapear os milhares de milhões de estrelas da Via Láctea, o satélite Gaia também se cruza com corpos celestes mais próximos de nós, nomeadamente asteroides. A maior parte já foram identificados, mas parece que o “vigilante” da ESA acrescentou algumas novidades à lista.

Da observação da segunda tranche de dados recolhidos pelo satélite é possível ver as órbitas de mais de 14.000 mil asteroides conhecidos, com o Sol no centro.

E se um asteroide colidir com a Terra? Defesa planetária reúne a partir de hoje
E se um asteroide colidir com a Terra? Defesa planetária reúne a partir de hoje
Ver artigo

Explica a ESA que a maioria dos asteroides representados na imagem, que aparecem a vermelho claro e laranja, estão no cinturão principal, entre as órbitas de Marte e Júpiter; os asteroides Troianos, que se encontram em redor da órbita de Júpiter, aparecem a vermelho escuro.

No centro da imagem, a amarelo, vemos as órbitas de várias dezenas de asteroides perto da Terra. Estão situados a menos de 1,3 unidades astronómicas (ua) do Sol no ponto mais próximo ao longo da sua órbita. Refira-se que a Terra gira ao redor do Sol a uma distância de 1 ua (cerca de 150 milhões de quilómetros).

E no meio das órbitas de milhares de asteroides há três que ainda não tinham sido detetadas, assinaladas a cinzento, e representam a primeira descoberta do género do Gaia.

Os novos corpos rochosos foram observados em dezembro de 2018, confirmando-se agora mediante as observações de acompanhamento realizadas pelo Haute-Provence Observatory em França, que permitiram aos investigadores determinar as suas órbitas. Ao comparar esta informação com as observações já existentes, percebeu-se que os objetos ainda não estavam “mapeados”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.