No universo pode haver um buraco negro "muito jovem", que remonta a “apenas” 850 milhões de anos após o Big Bang. Esta é a primeira evidência da existência de um buraco negro escondido de uma era tão remota e a descoberta foi possível graças à análise de dados recolhidos pelo Chandra X-Ray Observatory.

Trata-se de um quasar - um buraco negro supermassivo extremamente brilhante. De milhões a milhares de milhões de vezes mais “densos” do que o Sol, os buracos negros supermassivos crescem absorvendo material de um disco de matéria circundante. O crescimento rápido gera grandes quantidades de radiação numa região muito pequena ao redor do buraco negro.

Estudo português afirma que imagem do buraco negro não confirma com precisão teoria de Einstein
Estudo português afirma que imagem do buraco negro não confirma com precisão teoria de Einstein
Ver artigo

De acordo com as teorias atuais, a densa nuvem de gás que alimenta o material no disco em torno de um buraco negro supermassivo, durante o seu período de crescimento inicial, "envolve" ou esconde a maior parte da luz brilhante do quasar. À medida que o buraco negro consome material e se torna mais massivo, o gás na nuvem esgota-se, possibilitando que o buraco negro e seu disco brilhante sejam descobertos.

“É extraordinariamente desafiador encontrar quasares nessa fase encoberta, porque grande parte de sua radiação é absorvida e não pode ser detetada pelos instrumentos atuais”, refere Fábio Vito, CAS-CONICYT Fellow da Pontificia Universidad Católica do Chile, que liderou o estudo agora disponível online. "Graças ao Chandra e à capacidade de os raios X penetrarem na nuvem obscura, achamos que finalmente conseguimos".

A partir das primeiras observações do telescópio, o buraco negro poderia corresponder a um quasar entretanto conhecido (chamado PSO 167-13) ou a um quasar ainda por identificar presente numa galáxia próxima. Em ambos os casos, no entanto, seria o buraco negro mais distante já observado, além do mais precoce na história do cosmos.

De acordo com a NASA, os autores pretendem continuar com as observações para aprender mais. Também tencionam procurar mais exemplos de buracos negros altamente obscurecidos. "Suspeitamos que a maioria dos buracos negros supermassivos do início do universo está encoberta: é então crucial detetá-los e estudá-los para entender como eles podem crescer rapidamente para massas de um milhar de milhão de sóis", indicou o co-autor Roberto Gilli, do INAF em Bolonha, Itália.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.