A escassez de semicondutores está a afetar fabricantes em indústrias um pouco por todo o mundo. Para Mark Liu, presidente executivo da TSMC, as tensões entre os Estados Unidos e China foram um dos fatores que contribuíram significativamente para a “crise dos chips".

O responsável da empresa de Taiwan, conhecida por ser a principal fornecedora de chips a empresas como Qualcomm, NVidia, AMD, Apple e Xiaomi, defende que as incertezas em torno da relação entre os dois países levaram a mudanças nas cadeias de produção.

Por um lado, certas empresas tecnológicas duplicaram o número de pedidos às suas fornecedoras de modo a assegurar a sua produção. Por outro, algumas empresas apressaram-se a preencher o espaço deixado pela Huawei após as sanções aplicadas pelos Estados Unidos afetarem o seu negócio.

Citado pela Bloomberg, Mark Liu afirma que a resolução da “crise dos chips” vai depender muito do futuro das negociações entre os Estados Unidos e China. O responsável argumenta também que estratégias como a criação de indústrias de semicondutores por cada país seria algo “economicamente irrealista”.

Recorde-se que tanto os Estados Unidos como a China têm vindo a tomar medidas para reduzir a sua dependência de fabricantes estrangeiras. No caso da China, o governo de Xi Jingping delineou no ano passado um novo plano quinquenal que estabelece como um dos principais objetivos a redução da dependência de tecnologia importada, incluindo chips e semicondutores.

EUA querem investir 37 mil milhões de dólares para resolver falta de chips… e dependência da China 
EUA querem investir 37 mil milhões de dólares para resolver falta de chips… e dependência da China 
Ver artigo

Já nos Estados Unidos, Joe Biden assinou em fevereiro deste ano uma nova ordem executiva, reiterando o empenho em fazer chegar ao terreno uma lei que prevê ajudas de 37 mil milhões de dólares para acelerar a produção de chips no país.

De acordo com a Associação da Indústria de Semicondutores, a indústria norte-americana de semicondutores assegura 47% das vendas mundiais de chips, mas só 12% da produção é integralmente assegurada nos Estados Unidos.

Ainda neste mês, a Intel anunciou que tem planos para fabricar mais chips para outras marcas. A estratégia da empresa norte-americana vai ser consolidada com a construção de duas novas fábricas, que acarretam um investimento de 20 mil milhões de dólares, e através da inauguração de um novo departamento que estará exclusivamente responsável por gerir os negócios de outsourcing de produção da gigante tecnológica.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.