Depois do anúncio de que a entidade reguladora das comunicações dos Estados Unidos, Federal Communications Commission (FCC), tenciona revogar uma lei aprovada em 2015, que garante a neutralidade dos fornecedores de internet (e de banda larga, onde se inclui a televisão por cabo) aos consumidores, seguiram-se os protestos com milhares de pessoas na rua.

Agora, utilizadores de internet, sites e fóruns online estão a preparar-se para participar no "Break the Internet", um protesto online em massa que começa amanhã, 12 de dezembro, e que se vai prolongar por dois dias, até ao voto da FCC.

O protesto, que exige que o Congresso tome medidas para impedir o voto da FCC, tem o apoio dos principais sites e plataformas de redes sociais, com as demonstrações a assumirem variadas formatos.

Portugal usado como exemplo de não neutralidade da internet pelos EUA
Portugal usado como exemplo de não neutralidade da internet pelos EUA
Ver artigo

"Os utilizadores do Facebook e do LinkedIn vão alterar o status do relacionamento para "casado (com a neutralidade da rede)” ou vão adicionar um novo trabalho: o de "defender a neutralidade da rede”, esclareceu a plataforma Fight for the Future em comunicado.

Páginas como Imgur, Mozilla, Pinterest, Reddit, GitHub, Etsy, BitTorrent, entre outros, têm incentivado à “inundação” das linhas telefónicas do Congresso através de widgets criativos e banners que mostram as consequências da decisão do presidente da FCC, Ajit Pai.

tek internet

O Twitter, está a promover a manifestação e a incentivar à participação dos utilizadores com a hashtag #BreaktheInternet.

A neutralidade da Internet é um princípio, segundo o qual o tráfego de internet não pode ser discriminado em função da sua origem ou tipo. Ou seja, os prestadores de serviços de acesso à internet não podem tornar uma ligação web mais lenta ou bloqueá-la em função do tipo de conteúdo, aplicação ou serviço que o cliente está a usar ou a gerar. É o princípio da internet aberta.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.