Em questão estaria uma rede de sites e blogs com fake news, em associação aos serviços Facebook, Instagram, Twitter, Google Plus e YouTube, destinada a criar uma “narrativa” em “sintonia” com os interesses iranianos.

A propaganda destinava-se aos utilizadores nos Estados Unidos, Reino Unido, América Latina e Médio Oriente, de acordo com a Reuters, que cita analistas da empresa de cibersegurança FireEye.

A Rússia já foi associada a campanhas de influência online similares, incluindo o esforço de provocar divisão política entre os eleitores norte-americanos, mas a FireEye sublinha que as táticas usadas agora têm propósitos diferentes.

No caso do Facebook, a remoção de contas terá visado tanto o Irão como a Rússia. A rede social diz ter identificado e banido 652 páginas, de grupos e contas ligadas aos dois países “por manipulação coordenada que incluía a partilha de material político”.

A remoção das páginas, grupos e contas resultaram de quatro investigações - três envolvendo o Irão e uma envolvendo a Rússia -, indicou a empresa norte-americana na terça-feira, através do seu fundador e CEO, Mark Zuckerberg, refere a Lusa.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.