A tecnológica Microsoft anunciou na quarta-feira que grupos informáticos ligados à Rússia levaram a cabo mais de 200 ataques cibernéticos contra a Ucrânia e as suas infraestruturas desde o início da invasão, a 24 de fevereiro.

Num relatório divulgado na quarta-feira, a Microsoft aponta para "ciberataques destrutivos e implacáveis da Rússia na sua guerra híbrida contra a Ucrânia" e acrescenta que estas iniciativas "não só prejudicaram os sistemas de instituições na Ucrânia, como também visaram perturbar o acesso da população a informações fiáveis e serviços vitais dos quais os civis dependem, e tentaram minar a confiança na liderança do país".

Microsoft afirma ter evitado ciberataques da Rússia contra alvos do Governo ucraniano
Microsoft afirma ter evitado ciberataques da Rússia contra alvos do Governo ucraniano
Ver artigo

O documento, apresentado pelo vice-presidente da empresa, Tom Burt, nota que, nas vésperas da invasão da Ucrânia pela Rússia, "pelo menos seis agentes distintos ligados ao Estado russo lançaram mais de 237 operações contra a Ucrânia, incluindo ataques destrutivos ainda em curso e que ameaçam o bem-estar dos civis".

Para além da "destruição" dos sistemas das instituições públicas ucranianas, os ataques foram acompanhados por atividades de espionagem, diz a Microsoft, apontando também que o calendário dos ataques "parece estar altamente correlacionado, e por vezes diretamente calendarizado, com as operações terrestres do exército russo".

A empresa criadora do sistema operativo Windows, presente na maioria dos computadores a nível mundial, exemplifica que um dos ataques russos visou uma "grande empresa de rádio e televisão" no dia 1 de março, o mesmo dia do bombardeamento da torre de televisão de Kiev.

Ainda de acordo com a Microsoft, os preparativos para estes ataques começaram em março de 2021 e intensificaram-se no início de 2022, quando a Rússia acelerou a mobilização em torno das fronteiras ucranianas.

Estes ataques, alerta ainda o relatório, vão provavelmente continuar e aumentar, particularmente contra os países que apoiam o esforço de guerra ucraniano contra a Rússia.

O relatório surge uma semana depois de os EUA e quatro outros países ocidentais terem avisado que os serviços de inteligência tinham reunido informações que apontavam para o lançamento de ataques cibernéticos massivos contra os aliados da Ucrânia.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, desencadeando uma guerra que provocou um número de baixas civis e militares ainda por determinar.

A ONU confirmou hoje que pelo menos 2.787 civis morreram e 3.152 ficaram feridos, mas manteve o alerta para a probabilidade de os números serem consideravelmente superiores.

O conflito, que dura há 63 dias, levou mais de 5,3 milhões de pessoas a fugir da Ucrânia, na pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia, segundo a ONU.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.