Uma nova investigação revela que cibercriminosos estão a levar a cabo esquemas de sextortion que têm como "alvo" crianças e mulheres, recorrendo a dados roubados de gigantes tecnológicas como Apple, Twitter, Google, Discord, Meta e Snap.

De acordo com fontes a que a Bloomberg teve acesso, as empresas tecnológicas foram levadas a disponibilizar informação sensível acerca dos seus clientes em resposta a pedidos legais fraudulentos, com os piratas informáticos a fazerem-se passar por polícias.

O método utilizado pode variar, mas tende a seguir um padrão específico. Tudo começa com os cibercriminosos a comprometerem os sistemas de correio eletrónico de uma agência policial. De seguida enviam um pedido de emergência fraudulento a uma empresa tecnológica, requisitando dados acerca da conta de um determinado utilizador do seu serviço.

Linha Internet Segura registou mais de 1.600 denúncias em 2021 com aumento de casos de sextortion
Linha Internet Segura registou mais de 1.600 denúncias em 2021 com aumento de casos de sextortion
Ver artigo

A empresa acede ao pedido de emergência, disponibilizando dados como nome, endereço IP, email e morada, sendo que em alguns casos pode ser fornecida informação adicional. Os dados obtidos são depois utilizados pelos cibercriminosos para hackear as contas dos utilizadores ou para levar a cabo esquemas de engenharia social, tudo com o objetivo de pressionar as vítimas a criar e partilhar conteúdos sexualmente explícitos.

Os pedidos escalavam frequentemente a situações de chantagem, com os piratas informáticos a ameaçarem enviar todos os conteúdos criados pelas vítimas aos seus amigos, famílias e escolas. Em alguns casos, as vítimas eram pressionadas a cortar na sua pele o nome dos hackers e a enviarem fotografias. Se não acedessem aos pedidos, os cibercriminosos retaliavam, recorrendo a táticas como “swatting” ou “doxxing”.

As autoridades e investigadores acreditam que este método tem vindo a tornar-se prevalente ao longo dos últimos meses, sendo levado a cabo por cibercriminosos adolescentes, muitos dos quais se encontram nos Estados Unidos.

O lado sombrio do metaverso: Crianças entram em clubes de strip virtuais e são manipuladas por adultos
O lado sombrio do metaverso: Crianças entram em clubes de strip virtuais e são manipuladas por adultos
Ver artigo

Para já, as autoridades e empresas tecnológicas ainda estão a tentar perceber a extensão do problema. Segundo as fontes, uma vez que os pedidos aparentam ser de agências policiais legítimas, é difícil para as empresas tecnológicas perceberem quando é que foram enganadas.

Em resposta à Bloomberg, um porta-voz da Google indica que, em 2021, a empresa detetou um pedido fraudulento de dados vindo de cibercriminosos que se faziam passar pela polícia. A tecnologia identificou o responsável pela situação e notificou as autoridades competentes, com as quais tem vindo a colaborar para impedir novos esquemas fraudulentos.

Já porta-vozes do Facebook, Snap e Discord realçam que todos os pedidos de dados vindos de autoridades são revistos de modo a impedir abusos. Tanto o Twitter como a Apple declinaram fazer qualquer tipo de comentários.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.