Em maio, Donald Trump assinou uma ordem para "castigar" as redes sociais, depois dos seus tweets terem sido sinalizados pela primeira vez como informação potencialmente falsa. Agora, e numa altura em que o presidente continua a criticar fortemente as fake news, a rede social vai mais longe e chega mesmo a categorizar uma partilha de um vídeo, com uma notícia falsa, como manipulação dos media.

O vídeo de 60 segundos mostra uma criança negra a fugir de uma outra criança de pele clara. No rodapé falso da CNN pode ler-se: “Criança aterrorizada foge de um bebé racista” e “bebé racista provavelmente é apoiante de Trump”.

Na segunda parte do vídeo existe, no entanto, uma reviravolta. A frase “o que realmente aconteceu” mostra duas crianças a correrem uma para a outra e abraçarem-se. O vídeo partilhado pelo Presidente dos EUA termina com as frases: “A América não é o problema, notícias falsas são. Se vires algo, diz algo. Só tu podes prevenir a propagação de notícias falsas”.

O vídeo que Trump partilhou inclui um crédito para a conta “@CarpeDonktum”. O utilizador publica regularmente “memes” e vídeos de paródias de apoio ao presidente dos Estados Unidos.

A verdade dos factos

No ícone de "manipulação dos media" o Twitter explica os factos. "Em setembro de 2019, a CNN divulgou um vídeo viral sobre uma amizade entre duas crianças. Na quinta-feira, o Presidente partilhou uma versão do vídeo que muitos jornalistas confirmaram ter sido editado e manipulado com um rodapé da CNN falso”, pode ler-se.

Donald Trump assina ordem para “castigar” redes sociais. O que poderá mudar na Internet?
Donald Trump assina ordem para “castigar” redes sociais. O que poderá mudar na Internet?
Ver artigo

A estação televisiva respondeu à partilha de Trump. De acordo com a CNN,  o órgão de comunicação social cobriu a história do vídeo, “mas exatamente como aconteceu, tal como quando divulgou as posições de Trump na corrida às eleições”.

No mesmo dia, Donald Trump partilhou outra publicação, que incluía mais um vídeo da CNN aparentemente manipulado. O vídeo, que se inicia com a frase “mais um dia na América de Trump”, acusa os jornalistas de ampliarem notícias falsas e interpretarem mal os factos.

Um alegado exemplo disso mesmo é o momento, que este novo vídeo revela, em que um apoiante branco de Trump persegue um motorista negro da Uber e o vídeo se torna polémico. No vídeo, pode ainda ver-se um repórter da CNN a falar para a câmara, com um rodapé falso onde pode ler-se: “Culpa de Trump? Homem branco ataca motorista Uber negro”. No entanto, este vídeo não foi sinalizado pela rede social.

“Castigo” de Donald Trump às redes sociais: qual o ponto de situação?

Apesar de ter assinado em maio uma ordem legal para limitar as práticas de moderação de conteúdos em plataformas digitais, Donald Trump enfrenta vários desafios legais. No início de junho, a ordem executiva de Donald Trump recebeu o primeiro processo em tribunal por violar a Constituição dos EUA.

Mensagens de apoio, suspensão de serviços e doações: Como estão as gigantes tecnológicas a reagir aos protestos nos EUA?
Mensagens de apoio, suspensão de serviços e doações: Como estão as gigantes tecnológicas a reagir aos protestos nos EUA?
Ver artigo

O Center for Democracy and Technology (CDT) processou o Presidente norte-americano, afirmando que a ordem é uma violação da Primeira Emenda da Constituição dos Estados Unidos. Segundo o processo aberto no Tribunal distrital de Washington DC, a organização sem fins lucrativos indica que a decisão de Donald Trump é retaliatória e que ataca uma empresa privada, como o Twitter, por exercer um direito estabelecido pela Constituição.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.