A Polícia Judiciária deteve um cidadão nigeriano, de 30 anos de idade, por acesso ilegítimo a endereços de email de altos responsáveis de empresas europeias. A operação foi conduzida pela Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica (UNC3T).

O suspeito terá ordenado transferências de dezenas de milhares de euros para várias contas de um banco português que abriu com recurso a identidades falsas. Detido no final da passada semana, o cidadão apoiava ainda uma rede internacional num esquema de burlas informáticas, que contemplava outras atividades ilícitas, como branqueamento de capitais e falsificação de documentos.

Em resposta, a PJ intensificou as ações de prevenção junto da banca.

O homem foi presente na sexta-feira passada a primeiro interrogatório judicial para que lhe fosse aplicada uma medida de coação.

Universidade de Coimbra lança mestrado em segurança informática
Universidade de Coimbra lança mestrado em segurança informática
Ver artigo

“A investigação apurou que os factos se consubstanciam na manipulação de dados sobre transferências bancárias, acesso ilegítimo a sistemas de correio eletrónico dos ordenantes das operações, com posterior branqueamento dos valores ilicitamente obtidos, que na gíria se conhece como “CEO FRAUD” e que operava no território nacional”, explica a PJ em comunicado.

Segundo escreve o Jornal Económico esta segunda-feira, a burla ascende a 170 mil euros, mas os meios eletrónicos utilizados para a concretização destes crimes já foram apreendidos pelas autoridades.

A UNC3T vai continuar as investigações para apurar a extensão desta rede e a intensidade com que se têm detetado este tipo de atividades. Aos bancos, recomenda que confirmem por contacto telefónico direto as intruções transmitidas por email.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.