O acordo abrange uma gama vasta de produtos, desde processadores a cartuchos de impressão, chips GPS, ecrãs de toque e consolas de jogos, e deverá ter impacto direto no preço de venda a público dos dispositivos, ao reduzir as taxas aplicadas.

Depois de uma semana de negociações os membros do World Trade Organisation chegaram a acordo para rever o acordo inicial para as tecnologias de informação, que tinha sido assinado em 1996. Europa, China e Estados Unidos estão entre os signatários.

Segundo a Comissão Europeia, que foi mediadora no processo, o acordo irá ajudar a desenvolver um mercado avaliado em 1 bilião de euros no mercado global, cobrindo quase 90% dos produtos tecnológicos comercializados.  

O novo acordo deverá permitir redução de custos para os consumidores e também para a produção de produtos eletrónicos na Europa, abrindo caminho à abordagem em novos mercados para as empresas de alta tecnologia.

As taxas vão ser eliminadas nos próximos três anos, depois da imprementação do acordo que está prevista para 1 de julho de 2016. Em alguns casos, mais sensíveis, o período de transição é mais longo para garantir à indústria algum tempo para se adaptar ao novo ambiente de tarifas zero. 

Atualmente este tipo de produtos paga taxas adicionais na Europa que se elevam a 15 mil milhões de euros, o que se torna numa barreira importante.

Embora o acordo alargue o tipo de produros isentos, há alguns equipamentos que vão continuar a ser sujeitos a taxas na Europa, nomeadamente monitores, projetores, rádios não digitais para carros e Televisores.

 

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.