A Apple pode voltar a estar sob o escrutínio da Comissão Europeia. Desta vez Bruxelas poderá levar a cabo uma investigação antitrust à Apple Pay, a ferramenta de pagamento digital para iPhones. Em setembro deste ano a empresa tecnológica apresentou-se no tribunal de Luxemburgo para tentar defender-se de uma multa de 13 mil milhões de euros aplicada por Margrethe Vestager em 2016.

Os oficiais da Comissão Europeia inquiriram, em setembro, diversas empresas de telecomunicações, bancos e programadores de aplicações, avança o website de análise de mercado MLex. Em questão esteve a forma como os dispositivos da Apple podem estar a favorecer a utilização do Apple Pay relativamente a outras opções.

Os reguladores confirmaram, em comunicado à imprensa internacional, a sua monitorização de “possíveis práticas que violem as leis da competição e de condutas abusivas” no desenvolvimento de soluções de pagamento móveis”. Embora indique que está a investigar o “comportamento dos operadores do setor”, a Comissão Europeia não fez qualquer menção à empresa da maçã.

A Apple Pay funciona no âmbito da aplicação Wallet, a qual já vem pré-instalada nos smartphones da gigante de Cupertino. De acordo com o Financial Times, vários serviços rivais na área afirmam que estão em desvantagem em relação à Apple.

O near-field communication chip dos iPhones, o qual possibilita pagamentos digitais, bloqueia a utilização de outras ferramentas. Quando um utilizador opta por não utilizar a ferramenta da Apple, o seu dispositivo apresenta permanentemente um aviso vermelho, a indicar que a sua configuração não está completa.

Criptomoeda do Facebook está a ser investigada pela União Europeia devido a quebras da lei da concorrência
Criptomoeda do Facebook está a ser investigada pela União Europeia devido a quebras da lei da concorrência
Ver artigo

O interesse do órgão executivo da UE em relação a tecnologias de pagamento digital tem vindo a crescer. Em agosto foi a vez da Libra ser investigada por Bruxelas por poder estar, ou não, a violar as leis da competição no território europeu. Mais recentemente a criptomoeda do Facebook voltou a estar na “mira” da Comissão Europeia por poder colocar em risco a estabilidade económica na UE e de privacidade dos dados dos utilizadores.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.