No passado sábado, os legisladores chineses votaram favoravelmente nas propostas de lei sobre a criptografia, que entrarão em vigor no primeiro dia de janeiro de 2020. A nova lei vai regulamentar e facilitar o desenvolvimento de tecnologia em torno da criptografia, como as criptomoedas, garantindo a segurança do ciberespaço e da informação, agora em concordância com a constituição chinesa.

Segundo avança o Xinhua, através da nova legislação, o governo encoraja e suporta a investigação e aplicação da ciência e tecnologia na criptografia, protegendo os respetivos direitos intelectuais. O Estado incentiva mesma ao treino de talentos em criptografia, salientando que aqueles que se destacarem na contribuição de soluções serão premiados.

Facebook pensa em mudanças na Libra após abandono de vários parceiros críticos
Facebook pensa em mudanças na Libra após abandono de vários parceiros críticos
Ver artigo

A nova lei divide a criptografia em três segmentos: núcleo, comum e comercial, sendo os dois primeiros utilizados para depositar informações confidenciais do Estado, transmitidos por cabo ou wireless, com proteções de encriptação e certificações de segurança. A criptografia comercial servirá para proteger os dados que não sejam segredo de Estado e pode ser utilizada pelos cidadãos e organizações de acordo com a lei, de forma a garantir a segurança do ciberespaço e informação. É referido que quem colocar em risco a criptografia de núcleo e comum, e não responda com medidas de salvaguarda, ou não os reporte a tempo, será punido de acordo com a lei.

A China incentiva à investigação, partilhas académicas e a aplicação de tecnologias na criptografia comercial, mas destaca que a investigação científica e negócios não devem colocar em risco a segurança do país e dos interesses públicos. O próprio presidente chinês, Xi Jinping salientou que o país deve agora acelerar no desenvolvimento de tecnologia blockchain como núcleo da inovação.

Governo de Nicolás Maduro quer ter Bitcoin e Ethereum nas reservas do Banco Central venezuelano
Governo de Nicolás Maduro quer ter Bitcoin e Ethereum nas reservas do Banco Central venezuelano
Ver artigo

De recordar que mesmo sem uma posição oficial, o governo chinês desde sempre criou dificuldades na utilização de criptomoedas, tais como a Bitcoin, alegando que as moedas virtuais dão origem a desordem. Mas já se sabia que a China iria avançar com a sua moeda virtual oficial, criada pelo Banco Popular da China, depois de cinco anos a trabalhar no seu sistema. A criptomoeda será mais complexa que as restantes do mercado, utilizando uma divisão de dois níveis: colocando o Banco Popular no topo e a restante banca comercial em baixo. Desta forma, pretende-se responder ao crescimento da economia chinesa e respetiva população. Na prática, o Banco Popular converte a moeda virtual primeiro para os bancos e agências operacionais, e depois é que será convertido para o público. Este sistema foi adotado pelo tamanho do território chinês e da população, para que o Banco Popular não tivesse de lidar sozinha com o público.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.