Em novembro de 2021, o Tribunal Geral de Justiça da União Europeia negou o recurso à Google de uma multa de 2,4 mil milhões de euros imposta pela Comissão Europeia por abuso de posição dominante no comércio eletrónico comunitário. A multa, que data de 2017, tinha sido aplicada por abuso na funcionalidade Google Shopping, com a gigante tecnológica a seria acusada de ter uma vantagem ilegal no serviço de comparação de preços na sua plataforma.

À boleia desta multa, a PriceRunner, uma plataforma com serviços de comparação de preços acaba de dar entrada no Tribunal de Patentes e Mercado de Estocolmo, na Suécia, um processo a pedir uma indeminização de 2,1 mil milhões de euros. “A ação judicial segue a conclusão do Tribunal Geral Europeu de que a Google quebrou as leis antitrust da União Europeia ao manipular os resultados da pesquisa em favor dos seus próprios serviços de comparação nas compras online”, lê-se no comunicado.

Google vai analisar decisão do tribunal da UE após confirmação de multa de 2,4 mil milhões de euros
Google vai analisar decisão do tribunal da UE após confirmação de multa de 2,4 mil milhões de euros
Ver artigo

É ainda acusada de prejudicar os consumidores que pagaram um preço superior nas compras online, mas também ao PriceRunner e outros serviços de comparação de produtos. “Uma vez que a violação ainda está a decorrer, e o valor dos danos vai aumentando todos os dias, esperamos que o valor final dos danos presentes na ação judicial seja significativamente superior”.

O valor da ação judicial é referido como uma compensação dos danos que a Google causou à PriceRunner, “mas também uma luta pelos consumidores que sofreram com as infrações da Google da lei da concorrência nos últimos 14 anos e ainda hoje”, salienta Mikael Llindahl, CEO da PriceRunner. Diz ainda que se trata de uma questão de sobrevivência, pela posição monopolista das gigantes tecnológicas americanas, que fazem o que querem e manipulam o mercado.

A PriceRunner diz que além da violação da lei até 2017, acredita que a Google ainda não acatou a decisão da Comissão Europeia, continuando a abusar da sua posição dominante. “O resultado é que o tráfego de internet e respetivos lucros, são desviados da PriceRunner e outros serviços de comparações de compras para os próprios serviços da Google”. A empresa refere que a empresa de contabilidade Grant Thronton calculou que os preços dos produtos mostrados no comparador da Google são cerca de 12-14% superiores aos dos outros serviços. E que nos segmentos mais populares, como roupas e sapatos, estes ainda são superiores, em 16-37%. “Como resultado da violação da Google, estima-se que os consumidores europeus estão a pagar milhares de milhões de euros a mais, a cada ano”.

A especialista em comparação de preços diz que a decisão da Comissão Europeia significa que qualquer empresa que tenha sofrido com o abuso da Google tem o direito de reclamar esses prejuízos. E esta ação é o valor que a empresa procura como compensação das receitas que a PriceRunner perdeu no Reino Unido desde 2008, assim como na Suécia e Dinamarca desde 2013. E como espera que esta ação se prolongue durante anos até haver decisões do tribunal e respetivos recursos, a empresa diz assegurou financiamento externo para cobrir os custos da litigação. E acrescenta que a violação vai continuar, espera ainda receber juros depois da ação judicial de 8% por ano.

Em resposta à ação de tribunal, a Google já reagiu, referindo que “as mudanças que fizemos nos anúncios do shopping em 2017 estão a funcionar com sucesso, gerando crescimento e empregos para centenas de serviços de comparação de preços que operam mais de 800 websites por toda a Europa. O sistema está sujeito a monitorização intensiva pela Comissão da UE e por dois grupos de especialistas externos. A PriceRunner optou por não usar os anúncios do shopping no Google, e como tal, pode não ter visto o mesmo sucesso que outros. Esperamos defender este caso em tribunal.”, disse Frederic Abrard, Director of the CSS Shopping Ads program da Google.

A Google contrapõe mesmo a questão das lesões finaceiras que o seu sistema está a causar, afirmando que "mais de 800 websites de serviços de comparação de preços estão a operar na Europa, gerando milhares de milhões de cliques que os ligam aos seus parceiros e clientes em todo o mundo. A maioria destas empresas está a crescer, a  contratar novas pessoas e a trabalhar com mais retalhistas, por exemplo, Kelkoo, Redbrain, Connexity, Solute, Smarketer, e  Smarter e-commerce  (incluindo Klarna, que assinou um acordo para adquirir a PriceRunner e que falou sobre o seu sucesso com os anúncios do shopping)", avança a gigante tecnológica em sua defesa.

Nota de redação: Notícia atualizada com as declarações da Google e a decisão de defender o caso no tribunal contra a PriceRunner. Última atualização: 16:08.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.