Depois de multar a Meta, conhecida anteriormente por Facebook, em mais de 50 milhões de libras por quebrar regras na compra da Giphy, a autoridade britânica da concorrência (CMA na sigla em inglês) exige à empresa liderada por Mark Zuckerberg que venda a plataforma que adquiriu em maio de 2020 por 400 milhões de dólares.

A possibilidade já estava sobre a mesa, uma vez que, em agosto, os resultados preliminares da investigação levada a cabo pela autoridade tinham revelado que a aquisição poderia ter um impacto negativo na concorrência entre redes sociais.

Em comunicado, a CMA reitera as consequências negativas para outras plataformas, afirmando que os impactos prejudiciais só poderão sere resolvidos com a venda da Giphy a um comprador aprovado pela autoridade.

Segundo o regulador, a compra poderia ser usada para impedir que outras plataformas tivessem acesso aos GIFs da Giphy, fazendo aumentar o tráfego de utilizadores para as plataformas da Meta, incluindo o Facebook, o WhatsApp e o Instagram.

A CMA indica que, como resultado da aquisição, havia a possibilidade de serem requeridos mais dados a outras plataformas de modo a poderem aceder aos GIFs. Além disso, os serviços de apresentação de publicidade da própria Giphy viram-se afetados pela compra, não tendo espaço para crescerem e competirem com outras empresas, incluindo com a Meta.

Facebook multado em mais de 50 milhões de libras no Reino Unido por quebrar regras na compra da Giphy
Facebook multado em mais de 50 milhões de libras no Reino Unido por quebrar regras na compra da Giphy
Ver artigo

Tal como afirma Stuart McIntosh, responsável pela investigação, se não forem tomadas medidas, a aquisição daria à Meta ainda mais poder no mercado das redes sociais, passando a controlar o acesso por parte de empresas concorrentes à plataforma de GIFs.

“Ao exigirmos ao Facebook que venda a Giphy estamos a proteger milhões de utilizadores de redes sociais e a promover a competição, assim como a inovação, na publicidade digital”, enfatiza o responsável.

Em resposta, Meta indica em declarações à imprensa internacional que não concorda com a CMA. Um porta-voz da gigante tecnológica explica que a empresa está neste momento a rever a posição da autoridade britânica e a “considerar todas as opções”, incluindo recorrer da decisão. A empresa defende que tanto os consumidores como a Giphy seriam beneficiados com o apoio da sua estrutura e recursos.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.