Ainda não foi desta que as Telecom deixaram de liderar o top das reclamações da DECO, algo que acontece há mais de uma década. De acordo com os dados da associação de defesa do consumidor, em 2018 o sector gerou 34.956 queixas.

Períodos de fidelização, faturação, práticas comerciais desleais e dificuldade no cancelamento do contrato foram os motivos mais apontados pelos portugueses. A cobrança de 1€ pela fatura em papel, na MEO, foi eleita pela DECO como “o pior” exemplo de todos.

Telecom voltam a liderar reclamações à DECO com compras online logo atrás
Telecom voltam a liderar reclamações à DECO com compras online logo atrás
Ver artigo

E a seguir às telecomunicações, a compra e venda foi a área que mais queixas gerou, com destaque para as transações online. Entre as 25.345 reclamações recebidas dominaram os temas relacionados com a garantia dos produtos, incumprimento dos prazos de entrega, falta de informação e práticas desleais nas promoções. A distinção como “pior” foi para as vendas online da Worten.

De acordo com os dados da DECO, o sector dos serviços financeiros gerou 19.249 reclamações, muitas delas relacionadas com as comissões bancárias, enquanto o sector da energia e da água motivou 16. 981 queixas. A Associação de defesa do consumidor diz ter mediado mais de 23 mil conflitos em 2018, valor 35 %  acima do registado no ano anterior, conseguindo para os portugueses "queixosos" perto de 3 milhões de euros.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.