Numa era em que se fala cada vez mais de automação e inteligência artificial (e de tecnologia no geral), a “indústria” dos Recursos Humanos enfrenta novos desafios, que passam por várias mudanças, desde os métodos de recrutamento, ao tipo “exigências” colocadas de um lado e de outro. Mas que tendências marcam a oportunidade de uma empresa contratar talento ou de alguém arranjar emprego? As soft skills em primeiro lugar, de acordo com o mais recente relatório Global Talent Trends do LinkedIn.

tek gif linkedin tendencias tek gif linkedin tendencias

Alguns dos números foram esta semana apresentados por Sarah Harmon, coutry manager do LinkedIn para Portugal e Espanha, na conferência da Microsoft Portugal, Building The Future. Mas as tendências estão a mudar muito rapidamente e em muitos casos os postos de trabalho que fazem parte da oferta integram a chamada Gig Economy, onde os profissionais funcionam como freelancers. Flexibilidade, transparência de pagamentos, menos "pressões" fazem parte das tendências que transformam o modo como trabalhamos, mas também o domínio das chamadas soft skills.

O termo soft skills pode ser traduzido de várias formas, nomeadamente como “competências sociais”, relacionando-se com competências humanas como trabalho de equipa, liderança, colaboração, comunicação ou criatividade. Surge por contraposição às chamadas “hard skills”, associadas à engenharia e ciência e àquilo que se ensina. Josh Bersin, analista, diferencia as duas coisas afirmando que “é fácil ‘ensinar’ hard skills, mas as soft skills têm de ser ‘aprendidas’”.

E são as soft skills que surgem como a tendência que mais está a transformar o local de trabalho, apontadas por 91% dos profissionais de RH que participaram no estudo do LinkedIn. Criatividade, persuasão, colaboração, adaptabilidade e gestão de tempo são as mais importantes.

No conjunto de tendências que marcam atualmente a relação entre trabalhadores e entidade empregadora a flexibilidade laboral (72%) - a possibilidade de os funcionários trabalharem em local e altura à escolha - surge em segundo lugar. Os dados do relatório indicam que esta é uma tendência é extremamente importante na definição do futuro do recrutamento e do talento. “As empresas que promovem a flexibilidade no trabalho têm uma enorme vantagem competitiva, o que já está a acontecer: houve um aumento de 78% nos postos de trabalho que mencionam "flexibilidade no local de trabalho", desde 2016.

Igualmente importantes são as práticas anti assédio (71%), seguidas de políticas de transparência salarial (53%).

O 2019 Global Talent Trends foi feito com base num inquérito a mais de 5.000 profissionais de Recursos Humanos, de 35 países, assim como na recolha de informações comportamentais sobre a utilização do LinkedIn e na conversa com especialistas e empregadores como Starbucks, Cisco e Sodexo. Pode aceder a um resumo do estudo a partir deste link.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.