Quando começam a “morrer”, as galáxias deixam de formar estrelas. Através do telescópio Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) um grupo de astrónomos conseguiu captar pela primeira vez o início deste processo a cerca de 9 milhões de anos-luz.

De acordo com o estudo publicado na revista científica Nature Astronomy, os cientistas observaram que a galáxia ID2299 estava a passar por um processo de transformação extremo, expelindo quase metade de todo o seu gás, o qual é usado na formação de estrelas.

A descoberta foi feita por acaso quando a equipa responsável pelo estudo estava a analisar 100 galáxias distantes através do ALMA para estudar as propriedades dos seus gases. A ID2299 foi observada pelo telescópio durante apenas alguns minutos, mas foi o tempo suficiente para os investigadores detetarem o fenómeno e recolherem dados.

Os cientistas detalham que o processo está a ocorrer a um ritmo surpreendente, equivalendo a 10.000 sóis por ano e, por trás do fenómeno em questão, poderá estar uma colisão com outra galáxia.

Representação artística da galáxia ID2299
créditos: ESO/M. Kornmesser

Uma das “pistas” que alertou os astrónomos para o que estava a acontecer foi a presença de uma “cauda de maré”: uma corrente alongada de estrelas e gás que se estende para o Espaço interestelar e que surge quando há uma fusão entre duas galáxias. Normalmente, as “caudas de maré” são demasiado ténues para poderem ser observadas em galáxias tão distantes, porém, os astrónomos conseguiram fazê-lo no momento em que estava a ser lançada para o Espaço.

Acredita-se que os ventos causados pela formação estelar e a atividade de buracos negros nos centros de galáxias massivas são responsáveis por lançar para o Espaço material que seria utilizado na formação estelar, terminando com a capacidade de as galáxias formarem novas estrelas.

Processo de colisão de duas galáxias Processo de colisão de duas galáxias
A simulação demonstra duas galáxias em processo de colisão e fusão, expelindo grandes quantidades de gás e formando “caudas de maré”. créditos: Jérémy Fensch, et al

No entanto, o novo estudo sugere que as fusões entre galáxias também podem ser responsáveis por ejetar para o Espaço o "combustível" de formação estelar. De acordo com Emanuele Daddi, do Centro de Investigação Nuclear de Saclay (CEA-Saclay) na França, as novas observações podem levar a comunidade astronómica a rever tudo o que sabe sobre como “morrem” as galáxias distantes.

“O ALMA lançou uma nova luz sobre os mecanismos que podem fazer parar a formação estelar em galáxias distantes. Testemunhar um tal evento de perturbação tão massivo permite-nos acrescentar uma peça importante ao complexo puzzle da evolução galáctica,” afirma Chiara Circosta, investigadora na University College London, Reino Unido.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.