A EuroHPC selecionou na semana passada os oito locais onde vão ser alojados os primeiros supercomputadores na Europa, que vão apoiar o desenvolvimento de importantes aplicações em domínios como medicina personalizada, design de medicamentos e materiais, bioengenharia, previsão do tempo e mudanças climáticas.

A Universidade do Minho vai gerir o site em Portugal, juntando-se a Sófia (Bulgária), Ostrava (República Tcheca), Kajaani (Finlândia), Bolonha (Itália), Bissen (Luxemburgo), Maribor (Eslovênia) e Barcelona (Espanha). Ao todo, 19 dos 28 países que participam na EuroHPC - Europeia para a Computação de Alto Desempenho fazem parte dos consórcios que vão gerir estes centros.

Há um novo supercomputador mais potente do mundo. Sabe para que serve?
Há um novo supercomputador mais potente do mundo. Sabe para que serve?
Ver artigo

No ano passado foi assinado um protocolo entre Portugal e Espanha para a instalação de um supercomputador e que previa a prevê a criação do Minho Advanced Computing Center e agora a escolha da localização dá um novo impulso à utilização da capacidade de supercomputação, reforçando a Rede Ibérica de Computação Avançada – RICA. Segundo o jornal Público o novo supercomputador vai estar a funcionar em 2020 e ​ tem uma capacidade de dez petaflops, cerca de 40 vezes superior à do mais poderoso supercomputador português actual, que também está instalado no Minho.

O investimento previsto é de 11 milhões de euros, que serão parcialmente financiados por fundos europeus, e o supercomputador vai ser instalado no Centro de Supercomputação Avançada do Minho, que funciona em Riba d’Ave, Famalicão, em instalações da REN, a gestora da rede de energia em Portugal, gerido em parceria com a Universidade do Minho

Investimento de 840 milhões de euros

Vão ser adquiridos 8 supercomputadores para instalar nestes 8 locais, sendo 3 pre-exascale, capazes de executar mais de 150 Petaflops, ou 150 milhões de bilhões de cálculos por segundo, que estarão no top 5 global dos supercomputadores, e 5 máquinas petascale, capazes de executar pelo menos 4 Petaflops, ou 4 milhões de bilhões de operações por segundo. Para a instalação destas máquinas está previsto um investimento de 840 milhões de euros.

O supercomputador a instalar em Portugal no MACC - Minho Advanced Supercomputing Center, pertence a este grupo de petascale e a candidatura é apoiada pelo Centro Nacional de Supercomputación (BSC/CNS). Portugal tem ainda uma participação de 10% no consórcio do  Barcelona Supercomputing Center , em parceria com a Turquia e a Croácia, contando com o apoio da Irlanda.

A computação de alto desempenho é apontada pela Europa como crucial para gerar crescimento e empregos, mas também para autonomia estratégica e inovação, em áreas tão diversas como a  meteorologia, a medicina e a indústria. Com os supercomputadores os cientistas podem melhorar a previsão da evolução dos padrões climáticos locais e regionais, antecipando o tamanho e os caminhos de tempestades e inundações e possibilitando a ativação de sistemas de alerta antecipado para eventos climáticos extremos, mas também conceber novos medicamentos, resolvendo equações físicas complexas que modelam os processos moleculares.

Na indústria as simulações complexas e teste de componentes podem ser usados para a aviação e indústria automóvel, mas a capacidade de gerir dados em larga escala torna a sua utilização um elementi muito relevante no desenvolvimento da inteligência artificial e segurança informática e blockchain.

Está já previsto o reforço do investimento em supercomputação para o orçamento de 2021-2027, com um total de 2,7 mil milhões de euros que quase triplica o valor agora reservado a esta área.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.