É comum ouvir que a tecnologia “não é boa nem má”: é aquilo que se faz dela e a máxima pode aplicar-se à Inteligência Artificial. Profetizada por alguns como uma ameaça à humanidade, há quem prefira concentrar-se no lado mais otimista, como Tiago Forjaz.

Tal como Alix Rübsaam, o especialista da Singularity University em liderança, talento, transformação e futuro do Trabalho defende que a inteligência artificial pode ser uma ferramenta poderosa para melhorar a qualidade de vida, desde que seja usada de maneira ética e responsável.

Esqueça “O Exterminador Implacável”. Mas temos de resolver as questões éticas da IA
Esqueça “O Exterminador Implacável”. Mas temos de resolver as questões éticas da IA
Ver artigo

Ainda assim, que implicações pode ter nos empregos que conhecemos? E que importância dar ao talento ou às lideranças? Depois de fazer o seu keynote “Liberating Talent for the Future: Discovering your Frontiers”, durante a primeira edição do Executive Program em Portugal, Tiago Forjaz respondeu a estes e outras perguntas, numa pequena entrevista ao SAPO TEK.

SAPO TEK: Recentemente Zoltan Istvan, autor do livro “The Transhumanist Wager, defendeu que estamos na altura de aproveitar para ganhar dinheiro e não de ir para a Universidade, já que muitos empregos vão ser substituídos pela IA e não há garantias de que possam ser recreados de outra forma. Concorda?

Tiago Forjaz:  Para mim fazer dinheiro começa na faculdade, precisamente. As universidades, independentemente do que se possa criticar, são ecossistemas de aprendizagem brutais. Não sei se é tanto sobre o conteúdo, mas as universidades são muito mais sobre as relações entre as pessoas e empreender é um exercício não do milagre da ideia maravilhosa, mas do milagre da companhia. Porque é muito difícil uma pessoa empreender e fazer dinheiro sozinha. Nunca vi isso acontecer muito bem.

Todos os grandes empreendedores, aliás, o próprio Elon Musk, faz parte daquilo que se chama a “paypal mafia”: uma grupeta de pessoas que encontraram uma sinergia brutal, inspiraram-se mutuamente e ficaram ricos todos.

SingularityU Portugal estreia programa para pôr líderes a pensar (e depois a transformar)
SingularityU Portugal estreia programa para pôr líderes a pensar (e depois a transformar)
Ver artigo

Eu vejo a universidade como um sítio onde encontramos outras pessoas e nos apaixonamos e acho que é muito difícil fazer dinheiro sem a universidade. Há outros ecossistemas, há co-workings, incubadoras, não estou a dizer que seja o único sítio. Acho que é possível fazer as duas coisas. É possível fazer dinheiro e nas universidades.

SAPO TEK: E onde é que vai ficar o nosso talento na relação com a tecnologia?

Tiago Forjaz: Em relação à tecnologia e ao talento, estou profundamente convencido que usamos um pensamento muito binário, bom ou mau, muito infantil, um visão muito desresponsabilizada.

"A tecnologia é sempre uma consequência. É uma consequência da maneira como vivemos e daquilo que precisamos, como ferramentas para viver no tempo em que vivemos".

Infelizmente, ainda há muita ignorância sobre o potencial da tecnologia e os disparates que dizemos surgem só da ignorância: de não ter a consciência de como é que a tecnologia funciona, do que é que ela faz e do que ela não faz.

Uma coisa é verdade, é que ao longo do tempo o talento, a importância do talento, nunca mudou. Não vejo nenhum período na história da humanidade em que o talento fosse uma coisa que fosse irrelevante.

O talento contribuiu para as grandes peças musicais que nós ainda ouvimos: é isso que perpetua a identidade de uma pessoa no tempo. Todos os grandes pensadores, todos os grandes atletas, todos os grandes músicos começaram nessa descoberta do que é que é o seu talento. E, uma vez mais, não pode ser binário, não é? Ou talento ou treino, como se diz em relação ao Messi e ao Ronaldo, é patético. É ignorância achar que estas coisas são conflituantes.

"O talento é uma moeda com duas faces: potencial e performance. E para transformarmos o nosso potencial em performance, precisamos de começar no sítio certo e não dá para começar na performance".

A maior parte das organizações, das faculdades, das escolas industrializaram-se e só acreditam naquilo que é mensurável, ou seja: se não tem performance, não tem talento. E com isto, matamos a primeira fase, a fase mais embrionária, da descoberta do talento, que é quando nós temos de usar o nosso potencial, é uma coisa prazerosa, e depois sim pode ser performante.

Acho que o nosso mundo gravita muito à volta da tecnologia. Parece que as pessoas inteligentes são as pessoas que sabem programar e isso é um absurdo. Aliás, da etimologia grega, techne é indissociável da arte. A tecnologia e a arte andaram sempre de mão dada. Não é possível um artista ser artista sem um meio, sem um instrumento e olhar para a tecnologia e confundi-la com programação, algoritmos, outputs é de enorme ignorância e tenho imensa pena que assim seja.

"Eu só escolhi ser um otimista em relação à tecnologia porque a tecnologia é a única coisa que eu conheço que me vai devolver o tempo que eu preciso e quero".

Quando olhamos para o antigamente, a lavoura era feita com a força humana. Só depois é que se introduziram os animais. Hoje em dia, a tecnologia faz com que um agricultor português que esteja em São Paulo tenha um iPad e possa ver qual é o momento ideal para semear, para pôr o trator, e isso é a tecnologia que faz, que é devolver ao ser humano tempo. E nós sim, parecemos robots, a correr atrás daquilo que nos dá dinheiro, para depois nos queixarmos que não temos tempo.

SAPO TEK: Mas então o que é que nos resta fazer? E uma vez que estamos a ensinar às inteligências artificiais a serem criativas, isso também não põe em risco esse nosso lado?

Tiago Forjaz: O que devíamos fazer? Ter tempo para descobrirmos o nosso talento e usar a tecnologia a favor do nosso talento, e não ver como uma alternativa.

A criatividade para mim, é resolver problemas e, portanto, está mais próxima do design e da tecnologia do que propriamente da arte. A arte não resolve problema nenhum. A arte, quanto muito, dá voz a problemas. A tecnologia está desenhada para resolver problemas: não é trabalho da tecnologia criar problemas e por isso estamos a falar tanto de regulamentação e daqueles três passos que foram ditos, que a tecnologia tem que estar sempre sob vigilância, nunca nos pode surpreender e nunca nos pode criar problemas.

"A tecnologia existe para nos resolver problemas, a tecnologia pode ser criativa, mas não pode passar a ser uma forma de arte, no sentido em que não nos vai criar problemas".

O facto da tecnologia hoje estar a levantar tantas questões éticas é muito bom. Eu acho que enquanto humanidade, estamos a evoluir pela qualidade das perguntas que a tecnologia nos obriga a responder. Acho que isso é uma grande virtude, acho que daqui a uns anos talvez sejamos capazes de olhar em retrospetiva e ver isso.

Porque a verdade é que não há só uma forma de resolver um problema: quando damos à tecnologia a oportunidade de resolver problemas, ela encontra mil formas e nós humanos tendemos a ser muito binários. E o mundo não funciona dessa maneira. É muitíssimo mais interessante do que isso.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.