À medida que cresce a contestação contra a atuação do Governo de Donald Trump face à brutalidade policial no país e à nova ordem executiva com vista a “castigar” as redes sociais por fazerem fact-checking, a Snap, a empresa por trás da popular aplicação Snapchat, anunciou que vai limitar a visibilidade da conta do Presidente norte-americano.

Num comunicado enviado à imprensa internacional, a Snap indica que, embora mantenha a conta intacta, a secção Discovery da aplicação deixará de promover todas as publicações ou conteúdos criados por ela.

“Não ampliaremos as vozes que incitam à violência e injustiça raciais, oferecendo-lhes promoção gratuita”, sublinhou a empresa, acrescentando que “a violência racial e a injustiça não têm lugar na nossa sociedade e estamos ao lado dos que procuram paz, amor, igualdade e justiça nos Estados Unidos”.

Mensagens de apoio, suspensão de serviços e doações: Como estão as gigantes tecnológicas a reagir aos protestos nos EUA?
Mensagens de apoio, suspensão de serviços e doações: Como estão as gigantes tecnológicas a reagir aos protestos nos EUA?
Ver artigo

Ainda a 1 de junho, Evan Spiegel, CEO da Snap, deixou no website oficial da empresa uma mensagem relativa à situação de conflito vivida no país, sublinhando que a plataforma não podia promover contas que estivessem ligadas a quem incita à violência racial.

A decisão da Snap surge após Donald Trump ter ameaçado no Twitter que as autoridades poderiam recorrer a cães e a armas para fazer frente aos manifestantes que protestavam em frente à Casa Branca.

Tweet de Donald Trump em relação aos protestos nos EUA

Em resposta, Brad Parscale, gestor da campanha de Donald Trump, acusou a Snap de tentar influenciar as eleições presidenciais deste ano de forma a “promover Joe Biden e suprimir o Presidente”. Num comunicado, o gestor refere-se a Evan Spiegel como o “CEO radical do Snapchat”, acusando-o de usar a plataforma para “promover vídeos de motins da extrema esquerda e encorajar os utilizadores a destruir os Estados Unidos”.

Já do lado do Partido Democrata, Joe Biden respondeu à decisão numa publicação no Snapchat onde afirma que está “orgulhoso” por poder candidatar-se a Presidente e ainda ter conta na aplicação.

Ordem executiva de Donald Trump recebe o primeiro processo em tribunal por violar a Constituição dos EUA
Ordem executiva de Donald Trump recebe o primeiro processo em tribunal por violar a Constituição dos EUA
Ver artigo

Recorde-se que a nova ordem executiva, assinada a 28 de maio, já recebeu o primeiro processo em tribunal. O Center for Democracy and Technology (CDT) processou o Presidente norte-americano, afirmando que a ordem viola da Primeira Emenda da Constituição dos Estados Unidos, que impede o Governo de implementar leis que proíbam, por exemplo, o livre exercício da liberdade de expressão.

O CDT afirma ainda que a ordem é inconstitucional, porque tem como objetivo restringir as formas de expressão protegidas pela Primeira Emenda de todas as plataformas online, demonstrando “a determinação para usar o poder do Governo para retaliar contra todos os que o criticam”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.