As regras que impediam os fornecedores de internet (e de banda larga, onde se inclui a televisão por cabo) de ditar a velocidade e a qualidade do acesso à internet foram revogadas nos EUA mesmo depois de muitas pessoas terem partilhado a opinião contrária à proposta da Federal Communications Commission (FCC).

Na altura, a FCC terá recebido um recorde de 22 milhões de comentários antes da sua decisão final, no entanto um estudo revela que apenas 800 mil eram verdadeiros e não automatizados. A pesquisa, levada a cabo pelo investigador Ryan Singel, da Universidade de Stanford, mostra ainda que a esmagadora maioria (99,7%) desses comentários era a favor da neutralidade da rede.

Defensores da neutralidade da net planeiam protesto online em massa
Defensores da neutralidade da net planeiam protesto online em massa
Ver artigo

Singel revela que muitos dos comentários falsos usavam nomes de pessoas reais, incluindo jornalistas, senadores e pessoas já falecidas, bem como endereços de email falsos ou duplicados.

Nesse sentido, a Procuradora Geral de Nova Iorque, Bárbara Underwood, está a investigar a fonte dos mais de 22 milhões de comentários públicos submetidos à FCC, tendo intimado várias organizações de forma a determinar se estão envolvidas na fraude.

"O processo de comentários públicos da FCC foi corrompido por milhões de comentários falsos", disse Underwood em um comunicado.

A responsável disse ainda que “a lei protege os nova-iorquinos do engano e do uso indevido das suas identidades”, deixando claro que irá “chegar ao fundo do que aconteceu e responsabilizar os culpados ​​pelo uso de identidades roubadas para distorcer a opinião pública sobre a neutralidade da rede”. Durante a investigação descobriu-se que até 9,53 milhões desses comentários roubaram as identidades de pessoas reais.

A neutralidade da rede já não está a ser aplicada nos Estados Unidos
A neutralidade da rede já não está a ser aplicada nos Estados Unidos
Ver artigo

Entre as várias organizações intimadas estão grupos do sector de telecomunicações, como o Broadband for America, e grupos conservadores, como a Century Strategies e a Media Bridge. Alguns grupos a favor da neutralidade da rede, entre os quais o Free Press e Fight for the Future, também estão a ser investigados.

Recorde-se que, em maio o Senado dos EUA votou contra a decisão da FCC. Por 52 votos a 47, os senadores norte-americanos optaram por impedir as mudanças de regras que permitiriam às operadoras tratar de forma diferentes alguns sites e serviços de Internet. No entanto, a resolução ainda precisa passar pela Câmara dos Deputados e pelo presidente, Donald Trump.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.