Depois de os seus Tweets terem sido sinalizados como informação potencialmente falsa, Donald Trump ameaçou regular fortemente as redes sociais ou até mesmo fechá-las. Agora, o presidente norte-americano poderá assinar em breve uma ordem executiva que permitirá às agências governamentais penalizar plataformas digitais como o Twitter ou o Facebook pelas suas práticas de moderação de conteúdos.

Numa recente conferência da Casa Branca, Kayleigh McEnany, Secretária de Imprensa do Governo norte-americano, revelou aos jornalistas as intenções de Donald Trump, embora não desse a conhecer mais pormenores sobre a ordem executiva.

De acordo com fontes internas a que o The Washington Post teve acesso, o Departamento do Comércio dos Estados Unidos pedirá à Federal Communications Commission (FCC) para rever a Secção 230 da Communications Decency Act de 1996. A legislação estabelece que as empresas por trás das plataformas digitais não são responsáveis perante a lei pelo conteúdo nelas publicado, dando-lhes poder para moderá-lo.

Trump ameaça fechar redes sociais depois de Twitter ter sinalizado as suas publicações como fake news
Trump ameaça fechar redes sociais depois de Twitter ter sinalizado as suas publicações como fake news
Ver artigo

As queixas relacionadas com moderação que segue determinadas tendências políticas poderão ser tratadas pela Federal Trade Commission (FTC), que investigará as práticas das empresas e pedirá às agências governamentais para analisarem os seus gastos no que toca à publicidade.

Segundo Kate Klonick, professora de Direito na St. John's University e membro da Universidade de Yale, a ordem poderá indicar que a verificação de informação se enquadra nas práticas de conduta editorial e, por isso, está fora da esfera da Secção 230.

A professora teve acesso a uma versão inicial do documento que será aprovado por Donald Trump e deu a conhecer através do seu Twitter que a ordem executiva poderá ainda proibir as agências governamentais de fazerem anúncios em plataformas digitais que violem o que a nova lei estabelece.

Recorde-se que, após Donald Trump contestar a decisão do Twitter, um porta-voz da empresa liderada por Jack Dorsey explicou à imprensa internacional que a empresa está apenas a cumprir as novas diretrizes que estabeleceu em relação a informação falsa. Em ambos os Tweets visados surgiam avisos que indicavam ao utilizador onde encontrar informação verificada, redirecionando-o para um Twitter Moment sobre o tema.

Tweets de Donald Trump que foram sinalizados como informação potencialmente enganadora.

Nas publicações em questão, Donald Trump protestava contra a realização de votação através de correio, afirmando que a prática poderá levar à deturpação dos resultados. O presidente norte-americano indicava também que o governador da Califórnia, Gavin Newson, ordenou o envio de boletins de voto para os milhões de pessoas que vivem no estado, dando a entender que estão a ser levadas a cabo práticas fraudulentas.

Após Donald Trump ter protestado contra a atuação do Twitter, Mark Zuckerberg criticou a rede social liderada por Jack Dorsey por fazer fact-checking às publicações. Em entrevista com a pivot Dana Perino do programa Daily Briefing da Fox News, o CEO do Facebook indicou que as empresas por trás das plataformas digitais não devem ser "árbitros da verdade"

Em resposta, Jack Dorsey afirmou que o Twitter vai continuar a assinalar informações falsas ou enganadoras acerca das eleições a nível internacional, acrescentando que a empresa vai admitir quaisquer erros que possa vir a cometer.

O CEO da rede social explica também que a sua atuação não a torna num "árbitro da verdade", pois a sua intenção é dar a conhecer informações que contradizem certas declarações para que o público possa chegar a uma conclusão. "A transparência é essencial para que as pessoas consigam perceber o porquê das nossas ações", afirma o responsável.

Nota de redação: A notícia foi atualizada com as críticas realizadas por Mark Zuckerberg à atuação do Twitter e com a resposta do CEO da rede social. (Última atualização: 28/5 13h58).

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.