O regresso presencial às aulas e ao trabalho aproxima-se a largos passos. No entanto, dependendo da evolução da pandemia de COVID-19 em Portugal, a possibilidade de voltar ao modelo do ensino à distância e do teletrabalho mantém-se. O Zoom tornou-se numa das ferramentas de videochamadas mais populares e agora, para evitar os “percalços” do passado, como os ataques de Zoombombing, a empresa vai passar a disponibilizar autenticação de dois fatores em todas as reuniões virtuais.

No seu website oficial, a empresa liderada por Eric Yuan, explica que o sistema de autenticação vai estar disponível em todas as versões da plataforma. Ao ativá-lo, os utilizadores terão de confirmar a sua identidade e introduzir um código específico, que pode ser obtido através de SMS ou de uma aplicação como a Google ou a Microsoft Authenticator.

Zoom muda de ideias e decide encriptar as reuniões virtuais na versão grátis da plataforma
Zoom muda de ideias e decide encriptar as reuniões virtuais na versão grátis da plataforma
Ver artigo

A decisão surge meses depois de a Zoom ter enfrentado uma polémica devido à encriptação das videochamadas. No início de junho, Eric Yuan afirmou que apenas seriam disponibilizadas reuniões encriptadas para quem usasse a versão premium da plataforma. Perante uma onda de contestação online, a empresa mudou de ideias e passou a encriptar as videoconferências de todos os utilizadores.

Em maio, a Zoom adquiriu a Keybase, uma startup especializada em serviços de comunicação com encriptação ponta-a-ponta. A decisão fez parte do plano de 90 dias que a empresa se comprometeu a cumprir com o objetivo de retificar as falhas de segurança da plataforma.

Embora tenha visto a sua popularidade aumentar e as suas receitas a ascenderem aos 663,5 milhões de dólares, a Zoom tem vindo a enfrentar vários problemas de segurança: desde vulnerabilidades que poderiam ser aproveitadas por ciberespiões a fugas de informação na Dark Web.

PJ identificou responsável pela intrusão nas aulas online que já apagou todos os conteúdos
PJ identificou responsável pela intrusão nas aulas online que já apagou todos os conteúdos
Ver artigo

Recorde-se que a prática de Zoombombing chegou mesmo a impedir o funcionamento normal das aulas à distância em Portugal, levando a Fenprof a fazer queixa à Procuradoria-Geral da República. A Polícia Judiciária conseguiu identificar o responsável pelas disrupções e apagou todos os conteúdos acerca dos incidentes que foram publicados na Internet.

Nos Estados Unidos aconteceram casos semelhantes e que levaram o Estado de Nova Iorque a banir o uso da plataforma de videoconferências, dadas as várias queixas de problemas em relação a questões de segurança e privacidade durante o processo de registo. No início de abril, o FBI deu também conta de inúmeras queixas de utilizadores cujas conferências na Zoom foram interrompidas por imagens pornográficas e de ódio com linguagem ameaçadora.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.